Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


 " No edifício do pensamento não encontrei nenhuma categoria na qual pousar a cabeça. Em contrapartida, que belo travesseiro é o Caos!", Silogismos da Amargura, Emil Cioran

 

Terminou, por agora, o sonho. Mesmo esgotado física e mentalmente, é como se um pedaço meu tivesse sido arrancado com o fim da viagem. Nunca imaginei que fosse possível existir num estado tão puro de adrenalina, onde até o mero acto de alimentação é esquecido. 

 

 

Mas sei ser apenas o principio de algo. A viagem apenas começou e mesmo sendo forçado a caminhar assente na terra, sei agora que não vou parar. Nunca mais. 

 

Mais um corte. Mais uma verdade aprendida.

 

Resta apenas, e após este primeiro desígnio ultrapassado, testar o meu corpo numa outra prova. E finalmente confirmar se estes últimos anos me fortaleceram realmente. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

 " E por isso não perguntes por quem os sinos dobram; eles dobram por ti.", Ernest Hemingway

 

 

Aprendi a conhecer o meu pai como um vinho, que num primeiro trago não se valoriza. Porque era muito jovem e sem piedade para a sua subtileza. Porque era apenas estúpido e achava que o vinho se apreciava logo num primeiro trago. Durante tempo em demasia ignorei o seu carinho discreto e sombreado pela sua incapacidade de aceitar a inutilidade da palavra a mais ou um gesto que não fosse sincero.

 

Tenho transformado a sua memória de maneira muito própria: metódica e finalmente deixando que surjam frestas informes para que deixe de ter segredos em mim. Quando se iluminam os recantos certos distingue-se quem, em dias de crise, suportou a esposa orgulhosa, num silêncio que hoje descubro, deslumbrante.

 

Se consultar com minúcia as notas em que mergulho a sua recordação, fácil se torna compreender porque somos tão semelhantes. Sangue do mesmo sangue. Um e outro. Também olhos verdes mas quase verde azeitona de uma tonalidade enigmática. Quando completei quinze anos e porque notou o meu interesse, ofereceu-me uma edição barata da Europa-América do Anticristo de Nietzsche, que ainda hoje descansa ao lado da minha cama, com a capa muito gasta e as páginas já amarelas. E é velado por Ernest Hemingway  nos sinos que dobram. Apenas agora compreendi porque era este o seu escritor de eleição. Porque decidi procurar onde nunca o fizera.

 

Quero que nunca morra este pensamento e recordação. Que fique definitivamente gravado em mim a memória de quem primeiro entrou no meu minúsculo apartamento ali para os lados do largo da graça, quando a solidão assumia as  tonalidades instintivas da afirmação "estou aqui", se sentou em frente a mim, que queria ficar homem demasiado cedo, e partilhou o queijo, o pão escuro, as nozes e o vinho em cima da única peça que existia naquele quadrado diminuto a que chamava sala: uma toalha azul. E jamais esqueci o cheiro do seu perfume naqueles momentos. Também foi naquele dia que percebi quem era o meu pai.

 

Quando anoto o que me preocupa insisto na sua persistência em nunca falhar nas suas promessas. É fácil sentir a sua despreocupação com o cabelo solto que sistematicamente penteava para trás do rosto com os dedos abertos das mãos enquanto fixava aquele olhar felino que revelava como muitas vezes iriam terminar as coisas e acções.

 

Creio que ao falar dele falo de mim. Acaba por ser uma necessidade de vida insistir em conhecer o sabor da sua energia tranquila. Nada voltará a comparar-se ao seu silêncio subtil. Sei disso agora.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

Pinturas de sangue humano, Maxime Taccardi 

 

 

Nunca consegui entender a falta de capacidade que tanta gente possui para entender a solidão e o desespero. Não porque me considere especialmente versado nestas duas formas de diálogo intimo - embora não me sinta estranho a eles. Talvez porque se assustam com a serenidade que brota perante o irremediável de certas solidões e desesperos. Só assim encontro justificação para a mágoa que fica. Quando apenas permanece a ideia de eternidade silenciosa. A ideia de que a solidão e o desespero nunca irão terminar.

 

Mas detesto a apatia das pessoas perante a sua falta de entendimento. A sua preferência por um refugio quase sagrado na indiferença do amanhã poder vir a ser melhor. Mesmo que saibam do crescimento daquele grão que germinou, ainda que contra a vontade alheia, e se recusem a aceitar solidão e desespero como ferramentas de ruína. Porque se olham para as pessoas como casas em construção e se esquece do que ficará no fim: telhas partidas, pó no ar, ervas e soalho podre.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 * The Left Hand Path...*

 

 

Recordo que nunca te afirmei ser belo. Bonito, sequer. Nunca o fiz perante ti ou para quem fosse. E no entanto, a ti nunca te interessou esta fragilidade. Existe a possibilidade, então, de que eu não seja um copo vazio. Que o que contenho consiga despertar amor de uma outra criatura quase inatingível. Quero imaginar que sim ...

 

Escuto. Aprendi a ouvir-te. Encontrar o teu rosto nas  palavras sinuosas de um português esforçado enquanto se vai unindo ao inglês perfeito, entre a suavidade do teu dialecto dos frios nórdicos. Creio que não seja próprio escrever desta maneira mas a verdade é que no calor da tua fala, nos teus gestos livres, me sinto animal sem pernas. Impotente.

 

Mas a minha falta de beleza, tão distante da tua, nunca nos impediu de sermos escuridão. E como tenho provado desse breu que transformas em magnânimo! Um vazio que se inundou. Uma passagem pelos dias de esterilidade para descansar na abundância.

Autoria e outros dados (tags, etc)

* Ghost Brigade ...*

 

A análise pessoal do que transpira na alma é das privações mais cruelmente metódicas que uma criatura racional pode alguma vez executar sobre si própria. Analisar sincero e só, de si para si. Sem testemunhas que não sejam as batidas silenciosas do coração. Uma lei desconhecida ao comum dos mortais dita quase sempre e em capricho que este analisar feito com a precisão do caos cirúrgico nunca seja o de ventos favoráveis.

 

Eu consigo ver como cintilam certas pessoas na sua noite. Consigo ler nas palavras o individualismo cru que se recusa a aceitar mestres que não seja a escuridão de conclusões sinceras. E como não haveria de o conseguir ler em certas palavras? Se estas se afastam das fibras de uma falsa paz. Se por trás de um desejo de viver e aparente milagre de estar viva eu não vejo uma raridade preciosa que se chama candura.

 

Por vezes, consigo ler as notas de quem tenta percorrer estes subterrâneos internos acendendo palavras como pequenas velas de sorte, para que os caminhos permaneçam iluminados e sem escuridão. Mas as palavras são apenas palavras. As suas possibilidades infinitas. A mim o que certas palavras soam é ao mergulho nocturno das emoções. A conclusões nunca aceites: certeza da impossibilidade de ser feliz com os outros e incapacidade de o ser em solidão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

* If I sow a wind now,
I will reap a storm ...*

 

 

Fez com que eu voltasse a acreditar no amor à primeira vista. Que afinal foi isso que me sucedeu. Talvez porque sempre pensei que amar ao primeiro olhar fosse uma tempestade de realização, de certeza ante os meus olhos esbugalhados. Como se um túnel de luz se revelasse gigante. Talvez porque achei tratar-se de uma revelação absoluta e certa de que ali estava quem eu precisava e seria o meu farol.

 

Demonstrou-me que pensava errado. Cinquenta anos de união absoluta foram suficientes para que o escutasse e aprendesse as regras mais imutáveis do que é amar ao primeiro olhar. Porque existe uma ausência de beleza estéril na dedicação de quem puxa o cobertor cinzento até aos ombros da companheira sentada, velha enfermeira forçada a deixar de o ser porque os dedos das mãos se torceram e revoltaram. Como uma pianista a quem os dedos abandonam. Mesmo assim, os olhos húmidos e o sorriso aparecem, são o agradecimento cúmplice dos anos de batalha juntos. Estranhamente, aos meus olhos, esta capacidade de sacrifício e apoio mútuo, provoca rasgos imensos nas minhas certezas. Como se ali estivesse encerrada a resposta a tudo o que eu sempre perguntei. Que vale a pena sofrer e penar por outra pessoa. Que para além disso nada mais merece a pena.

 

Este amar à primeira vista não se escreve em poemas ou prosas de valor homérico. Não tem o sabor épico da conquista ou morte em nome de nada. Este amar à primeira vista é afinal, a certeza ao primeiro olhar, de que todos os dias que restam serão gastos com aquela pessoa. É um desejar que a minha solidão seja acompanhada por aquela pessoa. Para onde quer que eu vá. Este amar à primeira vista reveste-se na urgência e saudade de ser capaz e poder adormecer com ela nos meus braços. Protegida do mundo.

 

A cumplicidade que irradia um sol titânico e à prova de deuses questiona a falta de carinho que muitas vezes observo. O caminhar de mãos unidas ou a colher de refeição oferecida em nome de um sentimento sem explicação é a pedra filosofal que procuro. Mesmo que para isso deva sacrificar-me por alguém melhor do que eu. Mesmo que esse sacrificar signifique perder uma parte que me pertence.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 * Anoto inevitabilidades ...*

 

 

 

Gostaria que a porta fosse fechada ao fogo. Por um momento que seja, que fosse absorvida a ideia de inevitabilidade. É que entre os gritos e as lágrimas rasgadas e tecidas no que foi feito ou não, seria importante que fosse dito o quanto esta existência é efémera. Que pouco importa o livro lido há semanas entre os segredos guardados lado a lado com o que mais nos importa. Mesmo que por vezes, em dias de agrura mais longa entre as raivas mais descrentes, não se revejam as sementes de um mundo imperfeito. Onde ninguém está sempre certo ou sempre errado.

 

Porque é desta inevitabilidade e fogo primário que temos medo. Da forma como na nossa fortaleza de metal e cimento somos reduzidos às cinzas da morte. Nós! Que sempre julgamos ser práticos e funcionais. Os que gostam de afirmar estar tudo bem para justificar a falta de doenças que nos consumam.

 

Eu tenho receio da existência de silêncios perante a expressão de filhos e mães em descrença. Não conseguir explicar, entre a visão das lágrimas e o negro das queimaduras, que quando tem de ser é. Que o fogo é um rebelde sem lei e não adiantam as expressões de indignação perante o culpado. Mas acima de qualquer outra razão, temo que não seja possível a explicação de uma inevitabilidade que nos rompe na ironia de uma mirada pelo vidro de um carro, entre a companhia escolhida e a dissolução absoluta. E temo não conseguir silenciar a certeza de que não voltará a haver mais fins de tarde e noites de luar.

 

O sofrimento é um ermo desmiolado. Nunca mente, realmente. Mas são as distâncias criadas entre as pessoas que mais pesam nesta inevitabilidade. Não o espaço físico de centenas de metros. Nem sequer na curta distensão de morrer ombro a ombro. Antes nos quilómetros que surgem tiranos com o fim dos que nos são queridos. Quase se revela preciosa a necessidade de choro silencioso e solitário. Perante a impotência.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

*Desejo eu aos que me interessam, o sofrimento, a solidão, a enfermidade, as perseguições, o opróbrio. Desejo que conheçam o profundo menosprezo de si próprios, o tormento da sua desconfiança, a angústia da derrota. E não os lastimo, pois que lhes desejo a coisa única capaz de demonstrar se valem ou não: a resistência.*

Friedrich Wilhelm Nietzsche

 

 

Essa tendência para a pequena mentira sem importância. O roçar profícuo do falsear em nome de bens maiores sempre me fascinou. Cativa-me a capacidade humana para mentir, principalmente se aparenta evitar males mais tenebrosos. A opereta falsamente orquestrada em nome da manutenção de algo já podre e decrépito. Tem a textura e densidade do olhar do cão raivoso em frente a um braço - sabemos que desgraçadamente estamos a viver uma pequena mentira: um pedaço de carne vai ser arrancado.

 

Existe até uma pequena elite de pequenos mentirosos. Generosos na sua pequena profilaxia de protecção porque por vezes mentir é necessário. Por vezes é até necessário que se rasgue a inteligência alheia com a mentira pequerrucha - esta sim, aguça e impõe o seu fascínio em mim! Veste-se de limpeza aos ventos e dispersão das más companhias enquanto massaja o ego de quem já nasceu inútil.

 

Cada corte feito, por cada sulco de mais uma dose de sabedoria induzida à força de pressão porque de outra maneira não é possível, é neste mentir coroado de brilhantes intenções que melhor pressinto o tipo de criaturas a habitar este plano de existência. Escancaradas em vénias mentirosas, naquela presunção e aceitação de que mais vale uma pequena mentira a aceitar a realidade.  

 

O pequeno mentiroso é um dançarino que, aparentemente, dizem, calça sapatos de cristal. Tem piada. Nunca percebi se é cristalino o mentiroso que acha as minhas qualidades ( que pensa serem poucas ou nenhumas...) mais importantes do que os meus defeitos ou se prefere trocar de sapatos e sair sem barulho quando lhe demonstro que sei exactamente o que dorme em cima do colchão da sua patranha.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

* In Albis ...*

 

 

 

Sou branco. Caucasóide por definição. Orgulho-me da minha cor de pele numa época em que tal parece assemelhar-se a blasfémia e intolerância. Por razões que desconheço e apenas a sofreguidão mental pode justificar, ter a pele clara e ser homem parece ser condição essencial e sintomática de potencial violador de senhoras, racista, mesmo que inconscientemente, e possuidor de privilégios em demasia.

 

Sou branco. Tenho olhos verdes. Não tenho vergonha de ser e ter. Não sou racista porque acredito que a superioridade se deve provar com acções e decisões, não por cores ou conceitos que nunca defendi. Não sou culpado pelos erros de outras gerações mas respeito e aceito tradições e ensinamentos passados. Sou assim, um infame nacionalista apenas porque me orgulho do que sou e do esforço despendido por outros no passado. Porque se erros foram cometidos, esses devem ser atribuídos a todas as raças e costumes.

 

Sou caucasóide porque nasci assim. Recuso-me a aceitar punição ou estigmatização de outros. Considero quem me julga violador, racista, homofóbico e extremista, um inimigo que deve ser isolado. Não me interessam as zonas de conforto alheias porque na generalidade da existência, poucas são as criaturas por quem sinto afinidade.

 

Não acredito em democracias. O ódio racial existe. Sempre existiu. Mas eu não odeio raças. Apenas se fizerem de mim o seu alvo a abater. Não se chama odiar uma raça. Chama-se sobrevivência. Quem tenta impor regras de conduta condenando-me em antecipação pela minha cor de pele tem o mesmo valor. Nulo.

 

A liberdade de expressão, bandeira de tantos e tantas que por estes dias parecem ter vergonha da sua cor de pele, deveria ser aceite na sua plenitude. Não apenas quando convém e concorda com o que se pensa. Por isso a igualdade é uma utopia, a liberdade apenas uma palavra e a sinceridade política uma comédia.

 

Sou branco. Caucasóide por definição. Não me interessam as cores de pele dos outros. Não julgo pelos seus costumes ou vivências. Não aceito ser vitima de ideias e atitudes de quem não tem a mínima noção quem sou só porque se tornou moda cretinos e cretinas de classe média, que nunca sentiram dificuldades para obter o que seja, arfarem sequências paladinas de ignorância e aborrecimento existencial.

Autoria e outros dados (tags, etc)

* It All Starts From Pieces ...*

 

 

A proverbial crise de meia-idade. Imaginei sempre que se mitificou a chegada a uma meta que deixou atrás de si metade de uma existência. No mínimo, que se exagerou. Ou então tratava-se de uma revolta contra os anos que passam e o desespero  perante erros que não deveriam ter sido cometidos consumindo a consciência. Seja como for sempre tive as minhas dúvidas e descrença.

 

Até ter escutado o recorte confesso de um homem de quem deixara de ter noticias durante semanas. Palavras escutadas que não iluminaram meia existência. Cheiraram a fuga ao desespero por todos os poros.

 

Caso lapidar de suposto sucesso e realização pessoal. Vinte anos de casamento e fidelidade intima inflexível. Dois filhos de maior idade em universidades pagas para transformar cursos em empregados de sucesso. Uma vida estreita e prevista em rotinas férreas de pacificação colectiva. Compreensão mútua e sexo assente na malha do "devo satisfazer para ficar satisfeito". Esposa culta, empreendedora e senhora das suas amizades liberais. Sem quaisquer dúvidas sobre a sua aceitação do direito a outros escolherem a sua sexualidade sem contestação.

 

Precisamente ao chegar aos cinquenta anos, contou-me, algo cedeu dentro de si. São abalos que não surgem do nada ou de uma fragilidade passageira. Recusou o extemporâneo que poderia aninhar um capricho de personalidade. Sorriu quando lhe disse que se suspeitava da influência de outra mulher para tal radicalismo e o seu "não!" foi demasiado claro para ser mentira.

 

Cedeu e abandonou. Voltou as costas numa daquelas vagas de certeza que apenas iluminam as noites em dia uma vez na vida. Quando a recusa de continuar é escrita a ferro e fogo por um abrir de olhos que nos torna insanamente lógicos em transcrições sobre a inutilidade do obtido. Que o engenho tenha sido despoletado aos cinquenta anos ficará para quem defende a crise da meia-idade como uma fase. Como se de um ritual de passagem se tratasse.

 

Com o dinheiro que tinha viajou para outro país. Suportando a raiva e angústia dos outros. Também porque se assumiu culpado e assim foi mais fácil carregar a culpa. Mas creio que tem razão. De facto, acredito que a razão que acende o desespero de certas constatações pode perfeitamente pernoitar na decisão mais critica de terminar com algo antes do tempo. Não viver o que afinal se revelou uma bárbara farsa.

 

E foi a sua expressão, principalmente a sua expressão, que me derrotou fascinando. Numa face com mais traços de expressão desenhados pelos dias ao sol longe do escritório e do ar condicionado, no cabelo longo e cinzento dos anos, penteado sem cuidado para trás da cabeça e na farta barba que lhe cingia o riso agora claro e sem pressa. Tudo e mais tudo exprimia pacificação e libertação naquela expressão. De tal forma que enquanto falava sobre motivos e causas se tornava opressivo nos processos que plantaram o seu desligar e abandono.

 

Não comprou uma mota e foi percorrer o mundo. Não decidiu que queria uma tatuagem rebelde ( de facto, até criticou as minhas "demasiadas tatuagens..." ) e muito menos decidiu que deveria estar bêbado todos os dias em desesperada compensação. Decidiu que não conseguiria conviver com a negação de certas lógicas insanas.

 

E aquela expressão de humilhante felicidade não se finge e muito menos compra. Tomou posse dela aceitando tudo o que perderia e não fugindo ao que iria sofrer no processo.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)






topo | Blogs

Layout - Gaffe