Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



 

Segundo parece, o desespero pode tornar-se num culto pessoal. Segundo sei, a indiferença mata. Torna a vida num vazio. Vácuo onde as emoções nunca são realmente sãs.

Parece que ter fé é uma salvação. Possivel redenção de uma vida desesperada. Não penso que exista uma diferença assim tão grande entre ser louco ou meramente desesperado. Mas que posso eu dizer? A quem interessam estas merdas? Não me interessa. Estou cansado e  farto.

 

Falo muitas vezes em escuridão. Já me questionam sobre esta palavra e sobre o seu siginificado pessoal. Provávelmente alguma amante? Uma sórdida droga que me está a matar o cérebro? Para mim, o que vejo nos rostos. Lamento insistir e matraquear: Ninguém é o que realmente parece. E é muito mais fácil simular um sorriso do que traçar o rosto e não  esconder o negro.

 

Tenho saudades da chuva, sinceramente. Mesmo quando o céu se revela terrível. Mesmo quando o chumbo domina o azul e a luz solar. Sei que sou mentalmente repetitivo. Não quero saber. Uma vez mais. Não quero saber.

 

O puto salta e grita. O pai observa, de olhos fixos e lábios franzidos. Pressinto-lhe uma raiva surda. Algo envenena o pai do puto.

O miúdo volta a insistir com veêmencia. Em gritos agudos e falsas lágrimas. Ninguém consegue ficar realmente indiferente. Eu fico ainda mais atento ao crispar de punhos do homem. Um ligeiro, leve tremor agita a sua testa. Porém, o miúdo sabe que ganhou aquela batalha. E quando o homem, rendido e desgastado coloca a barra de chocolate na mão do puto, observo como este sorri: Um imenso rasgo de triunfo inunda-lhe a face vermelha pelo acto cometido. E por momentos contenho-me. Deixo que passe a tentação de enfiar a maldita barra de chocolate pela sua garganta abaixo!

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Imagem de perfil

De VeraPinto a 10.09.2012 às 00:43

Isto diz-me muito. É mais fácil simular um sorriso do que mostrar desilusão e dor. Mostrar frustração.

Por muito que me custe, eu sei que o faço e odeio-me por isso. Nunca me senti tão falsa em toda a minha vida. Tão hipócrita.
Imagem de perfil

De Fleuma a 10.09.2012 às 14:59

Desculparás por estes posts que aqui escrevo. Eventualmente pensas que não passo de um intolerante rezingão. Mas na verdade eu não tenho muita paciência para muita coisa. Acredita,já fui muito mais tolerante. Porém, progressivamente, tenho vindo a ficar cada vez mais incapaz de suportar certas coisas. Sinto que me falta o tempo e a capacidade.

Já agora, agradeço a visita, és sempre bem vinda neste buraco.

Comentar post







topo | Blogs

Layout - Gaffe