Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A grande maioria dos homens que conheço e que, supostamente, dizem amar uma mulher apenas espelham um estranho complexo: na maior parte das vezes querem uma cópia materna para si.

Estabelecem uma relação, uma vez mais, supostamente, amorosa com uma mulher e regressam a um estado de apatia quase infantil, onde a necessidade  de uma figura materna práticamente destrói a sua capacidade de orientação e de viverem sós e entregues a si mesmos.

Eu quero uma mulher para que possa aprender a viver e a compreender. Quero defende-la dos males deste mundo e encharca-la de tanta força que se sinta próxima de derrubar o mundo!

 

Mas aqui não se encontra nada de realmente penalizador; não vou rebentar os miolos e os golpes sofridos servem apenas para avisar essa mulher que a vou devorar em paixão e que preciso de muita ajuda. Porque não me sei controlar e nem sequer sei muito do que é realmente amar.

Quando a beijo a semente de esquecimento é lançada e nem sequer sei se alguma vez conheci outra mulher.

Quero uma mulher e não uma mãe. Quero que me diga coisas que não sei e me faça calar quando o desespero varre as minhas margens. Quero que me faça rir até chorar e todos os dias me ensine a ser mais homem. Muito mais eu

É minha paixão quem consegue tudo isto. E por isso, mesmo que o mundo desabe neste preciso momento, eu estarei ao seu lado.

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

Sem imagem de perfil

De Mariella a 25.08.2013 às 01:56

gostei muito deste texto, para variar.
infelizmente, nas relações que procuramos baseiam-se um pouco nas relações dos nossos pais, e só à pouco é que me apercebi disso.

Comentar post







topo | Blogs

Layout - Gaffe