Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Era uma vez uma cadeira que sonhou ser um trono de ferro.

 

Sonhou enquanto serviu. Quando era muito mais nova. Nos momentos de quem lia virado para a varanda e com o sol poente. Não deu pelos anos que passaram. Quando o muito mais nova deu assento ao velho. Onde a visão do sol poente deu lugar a um canto desbotado. Um lugar nada próprio para um trono de ferro. Como aliás, a pequena cadeira ansiava ter sido.

 

Os anos passados a sustentar o peso deixaram a cadeira manca. Por isso, apenas suportada em três pernas, os movimentos da sua existência de fina e fraca madeira, eram curtos. Apenas arrastada de um canto para o outro e de novo encostada a um canto, o decrépito assento pressentiu o fim. O seu volume, engrossado por anos de frio e calor, os seus braços gordos manchados de gordura dos que nela tiveram assento e ali limparam os dedos pegajosos pela última barra de chocolate comido, foram vis revelações. Porque razão não era já um trono de ferro? Onde reis e rainhas, deuses e deusas poderiam pernoitar e decidir. 

 

O coração da velha cadeira também a atraiçoou. Sem ritmo. Sempre em cuidados para se manter a compasso tornou-a amargurada. Nem o mais espesso verniz negro a contentava. Nem o sintoma mais positivo podia evitar que a velha cadeira se amargurasse. Assim, numa daquelas noites  em que achava escutar os lobos quando vivia num reles apartamento no meio de uma pilha de outras casas, voltou a ousar imaginar. Poder sonhar de novo. Queria viajar e mesmo que nunca o fizesse, porque como pequena cadeira que era, não se deslocava realmente, imaginou. Sonhou países que nunca vira e achava ser o suficiente, deixar bradar a imaginação. E imaginou ter visto lobos, grandes e negros. Ou brancos como a neve, com olhos de fogo e bafo gelado. Mas não. Não, triste e tonta cadeira. Manca e enlutada por décadas a sonhar ser de ferro. Um trono de deuses!

 

Em desespero, por fim vencida, a pequena e velha cadeira, em decrépita solidão nunca consentida antes forçada a um canto, decidiu que o mundo conspirava contra si. Que afinal não fora feita para ser trono de ferro. Era vitima! Maltratada e injustiçada! Como se uma pequena cadeira pudesse aspirar a mais do que ser manca e encostada a um canto. E assim tem permanecido. Roendo intrigas a um canto escuro. Até ao fim dos poucos dias que lhe restam.

 

Talvez o pequeno empecilho, coxo de ácida velhice tivesse antes desejado outra coisa. Algo bem mais próprio a uma condição que sempre foi a sua. Em vez de sonhar com a grandeza de um trono de ferro onde reis e rainhas reinam, teria sido bem melhor desejar ter sido um diminuto banco para que tais monarcas ou deuses, estendendo as pernas, descansassem os pés empoeirados.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)





Arquivo

  1. 2018
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2017
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2016
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2015
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ
  53. 2014
  54. JAN
  55. FEV
  56. MAR
  57. ABR
  58. MAI
  59. JUN
  60. JUL
  61. AGO
  62. SET
  63. OUT
  64. NOV
  65. DEZ
  66. 2013
  67. JAN
  68. FEV
  69. MAR
  70. ABR
  71. MAI
  72. JUN
  73. JUL
  74. AGO
  75. SET
  76. OUT
  77. NOV
  78. DEZ
  79. 2012
  80. JAN
  81. FEV
  82. MAR
  83. ABR
  84. MAI
  85. JUN
  86. JUL
  87. AGO
  88. SET
  89. OUT
  90. NOV
  91. DEZ
  92. 2011
  93. JAN
  94. FEV
  95. MAR
  96. ABR
  97. MAI
  98. JUN
  99. JUL
  100. AGO
  101. SET
  102. OUT
  103. NOV
  104. DEZ


topo | Blogs

Layout - Gaffe