Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



 

Existe uma estranha alquimia, desconhecida para uma grande maioria, naqueles que permanecem juntos durante anos a fio e sem que se possam vislumbrar falhas na armadura. Algo único parece sustentar estas criaturas que por alguma rara combinação de agentes não cede ao tempo nem sequer à aproximação do fim.

 

Conheço um casal que permanece num estado de união longo. Longo de quarenta anos. E não consigo perceber um pingo de morte sentimental entre ambos. Cúmplices em potência, sempre que os vejo vão desfigurando as minhas reticências e o meu cinismo mais agreste. Nunca vi um gesto de agressão entre ambos. Um levantar de voz mais crispado. Uma falta de gentileza que possa danificar a minha visão deles. Quase diria que sobrevivem os dias num êxtase bizarro que não os deixa atravessar a barreira da luz.

 

E por vezes sou brindado com relances de absoluta irrealidade. Se calhar porque me conhecem e me sabem observador, gostam de me retalhar os sentidos em tiras finas. Deixo que me mistifiquem a alma e quase, quase consigo sentir a fragrância de deuses antigos proibidos nos dias de hoje. 

 

Entrava  em casa após mais uma noite de trabalho. Era cedo, mas o sol brilhava intenso e entrava a jorro pelas janelas envidraçadas das paredes da escadaria que conduz à porta de saída do prédio. Sei que tal como eu não vão de elevador. Apesar da idade avançada não o fazem. E naquela manhã parecia propositado, mas durante longos segundos a realidade esfumou-se como se estivesse comandada ao prazer daqueles dois. Nunca tivera a possibilidade de os ver a descer as escadas. Estavam no último lance mesmo em frente a mim e antes de se cruzarem comigo e desciam ambos em sintonia. Mas o que me deixou translúcido foi que dois dos seus braços estavam unidos um no outro. E o braço livre do homem apoiava-se na parede junto à escada enquanto a mão livre da mulher agarrava o corrimão de metal da escadaria. 

 

Pareciam algo semelhante a uma muralha ocupando a largura da escadaria. E no preciso momento em que observava esta manobra o braço grosso da luz solar parecia cobrir aqueles corpos. O dela, que sempre se veste a fazer lembrar a estética dos anos 40 e o dele, sempre de fato à medida. Sempre de camisa imaculadamente branca e sem gravata. 

 

Devo ter parecido um perfeito idiota. Assim especado e em delírio mental pela rajada impiedosa daquela atmosfera. Mas o que me fez estremecer da cabeça aos pés como se estivesse em frente a um comboio a alta velocidade e em minha direção foi a frase do senhor quando passou por mim, desta vez apenas de mão dada com a senhora ( coisa que sempre lamentei não ver mais vezes entre duas pessoas que se amam ...), numa voz ligeira e suave.

 

- " Bom dia ... "

 

- " Está um bom dia para estar vivo. Não acha, senhor? ... "

 

Não respondi porque não se deve responder à recompensa de testemunhar algo precioso. 

Autoria e outros dados (tags, etc)


5 comentários

Imagem de perfil

De Bruno a 26.12.2016 às 21:09

Que alma tão linda que tens, Fleuma!
Bem-vindo de volta! :)
Imagem de perfil

De Fleuma a 27.12.2016 às 15:02

Creio bem que a minha alma não é linda, Bruno. Está bem longe disso.

Mas nem por isso deixo de apreciar certas virtudes da vida.

Saúde,
Imagem de perfil

De Bruno a 27.12.2016 às 19:47

Eu aprecio a tua alma e o que ela transmite. Isso é, por si só, de uma beleza extrema! :)
Sem imagem de perfil

De isa a 27.12.2016 às 16:05

Partilho desses deslumbre pra com esses "unicórnios" relacionais. Guardo comigo a terna recordação de um casal que caberia, à perfeição, nessas palavras. Nunca lhes disse mais que a saudação da praxe, mas o que eles me disseram naquela cumplicidade de duas peças esculpidas numa só, é coisa que guardarei comigo, ciosamente, e ciente de benção assim tão única: a da simples constatação daquela realidade.
Imagem de perfil

De Fleuma a 28.12.2016 às 12:35

Creio que me deixei fascinar pelo momento. Talvez para uma grande maioria tivesse passado despercebido. Para mim, momentos como aquele e porque tenho uma memória fotográfica muito apurada, fica e marca. Devo dizer-te que me preparava para ir dormir e foi coisa que não fiz.

E sim, tens razão. São criaturas raras que me suscitam intenso respeito.

Agradeço as tuas visitas, no mínimo, sempre revigorantes e acrescento que visito sempre que posso o teu blog. Aquela tua resposta recente está um absoluto culto!

Só lamento não conseguir comentar ...

Comentar post







topo | Blogs

Layout - Gaffe