Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



 

Não conseguia entender essa estranha noção. É cegueira absoluta e ainda assim, julgava ver. Nem sequer conseguia distinguir. Sei disso agora. E já se  fez  tarde.

 

A minha presença, entre outros. Rodeado e irremediavelmente subjugado pelo som colossal. Barulho que soa a batimentos de estrela negra. O coração suspira pesaroso naquele ritmo indescritível e senti o esmagar das artérias. Enquanto, de visão em visão, compreendi o comungar  de certas almas.

 

Cada vez que deixava soar a minha voz, entre os finos fios de notas mensageiras dos dias mais assombrados de maravilhas negras, deixava de sentir o frio da noite. Terminava a claustrofobia que tantas almas a respirar, cantar e celebrar  me aterrorizara.

 

Assustei-me, naqueles momentos. O espaço confinado. Enclausurado entre gente e incapaz de parar. De me forçar a parar. 

 

Alguém me sussurrou depois ao ouvido que algo se tornara diferente em mim. Aceitei e deixei por explicar que me assustei perante as emoções que me forcei a experimentar - a batalha que travei para voltar, regressar, daquela escuridão pintalgada aqui e ali por  focos de luminosidade. Luz pequena. Luzes frágeis entre nós e os outros. Inúteis tentações de salvação entre tanta fúria.

 

É ainda estranha essa noção. Comunhão. O que é isso? Revelou-se que o som, naqueles momentos, tem uma estranha alma. Pesa e oprime. Abençoa. Que a minha voz tem o feio e grotesco partilhado com todos. O que está para além dos diminutos focos de luz cada vez me assusta menos. E cada vez reclama mais o meu atraso.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

Imagem de perfil

De Bruno a 08.03.2017 às 14:28

Oh meu querido, como gostava de experimentar essa sensação de uma estranha calma, entre a multidão. Mas não consigo combater aquela necessidade de afastar-me para o canto mais livre, mais distante de simples olhares...
Espero-te bem.
Imagem de perfil

De Fleuma a 08.03.2017 às 15:23

Foi bem mais do que isso. Foi estar no centro do furacão. De frente para imensa gente.

Não existe calma. É impossível. Creio que estou a acordar lentamente de um sonho.

Saúde.
Imagem de perfil

De Bruno a 09.03.2017 às 04:31

Bem,essa de estar de frente para imensa gente... Tirando a parte em que esteja a servi-los no café, é algo que me deixa temeroso. Posso dar o simples exemplo de un karaoke entre amigos, em que não canto, só tremo. Ou uma viagem escolar, em que tive que ser o porta voz da nossa turma, falar em frente a outros e... tremores e mais tremores. Fico feliz de imaginar que possa ter corrido bem melhor para ti!
E se o fizeste, não é um sonho, pelo que não irás despertar dele. E, acreditando que tenhas sido bem sucedido, acredito que possa vir a suceder mais vezes!
Muito, muito sucesso!
Grande abraço

Comentar post





Arquivo

  1. 2018
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2017
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2016
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2015
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ
  53. 2014
  54. JAN
  55. FEV
  56. MAR
  57. ABR
  58. MAI
  59. JUN
  60. JUL
  61. AGO
  62. SET
  63. OUT
  64. NOV
  65. DEZ
  66. 2013
  67. JAN
  68. FEV
  69. MAR
  70. ABR
  71. MAI
  72. JUN
  73. JUL
  74. AGO
  75. SET
  76. OUT
  77. NOV
  78. DEZ
  79. 2012
  80. JAN
  81. FEV
  82. MAR
  83. ABR
  84. MAI
  85. JUN
  86. JUL
  87. AGO
  88. SET
  89. OUT
  90. NOV
  91. DEZ
  92. 2011
  93. JAN
  94. FEV
  95. MAR
  96. ABR
  97. MAI
  98. JUN
  99. JUL
  100. AGO
  101. SET
  102. OUT
  103. NOV
  104. DEZ


topo | Blogs

Layout - Gaffe