Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



 

"Ascend yourself into the eternal void. Vast darkness till the stellar sphere.
Opening the world, to an era of comatose.

 

Perante a questão, " o que mais gostarias de observar?", sempre enfeitada por adornos de cuidado e preocupação, porque se trata de perguntar a quem nasceu cego e nunca conseguiu um vislumbre de luz ou escuridão, a resposta foi rápida. Surpreendente como o que nos é respondido por uma criança no meio de uma crise de choro e sem aparente razão.

 

" Estrelas. Sim... gostaria de olhar para o céu e observar as estrelas." Assim. 

 

Não uma observação da beleza humana ou da estética animalesca. Ver uma única coisa antes de tudo o que resta. Observar o vácuo e o frio das estrelas que apenas concebe no que não vê pelo que lhe contam. Pelos relatos ouvidos e pelas divagações de outros. Eu principalmente, que nunca me canso de citar Carl Sagan e a meio caminho, Neil Degrasse.

 

Gosta particularmente, quando me esforço por descrever o que eu próprio observo: imensidão vazia. Distância abissal e negro. Prediz um sentimento de arrepio perante o frio estelar e crescem declives na sua testa enquanto vou ficando mais taciturno, imerso na minha própria visão.

 

É um estranho animal, este. Observador de olhos cerrados. Vislumbra com o que cheira e saboreia - consegue distingir os vários sabores sobrepostos numa barra de chocolate. A última infiltração olfativa de Gaultier não lhe é estranha - nunca lhe passa sossegada e na ponta dos pés.

 

Observa porque escuta. Viajante sem olhos. É pelo ouvido que caminha. Entre leituras que vão pingando graciosas. Ora aqui ora por ali. Enquanto bebe o licor escuro "vê"  Hemingway, esse bêbado impassível por quem os sinos dobraram. Imagina John  Steinbeck e remete-se a um silêncio sólido e sentido quando sente a minha fascinação pelo Paraíso Perdido de John Milton e o seu Satanás romântico.

 

Entre as minhas divagações literárias, por vezes, venho a este local. Leio em voz alta a escrita de alguns blogs que me interessam. Genuinamente, este viajante, prefere que leia em voz  pausada, as palavras da Gaffe e as suas avenidas. O que comecei por ler como um mero teste de premeditada alteração de hábitos, converteu-se num prazer semelhante a quem desfruta de uma bebida espirituosa. Escolho as paisagens mais escuras e atmosféricas, enquanto deixo que assente o pó do cansaço dos finais de dia em que nos sentamos frente a frente - quase embriagados pelos vapores de Baco. Agarrados ao surrealismo de mundos de vidro, varandas para o mar e o sorrir niilista perante a mortalidade. 

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Imagem de perfil

De Gaffe a 31.03.2017 às 13:09

Tão perfeito, meu querido Fleuma.
Obrigada.
Tão comovente, tão urgente em mim.
Imagem de perfil

De Fleuma a 31.03.2017 às 15:07

Gaffe, não se deve agradecer quando a verdade é dita.

Principalmente quando nem sempre se trata de escrita, mas muitas vezes de alimento.

Tente apenas, se quer agradecer, ser o que é e apenas o que assim decidir ser.

Comentar post







topo | Blogs

Layout - Gaffe