Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

 * Vinter Vindarnas ...*

 

 

É por dias como este que a revelação tolda tudo o que supostamente pensei saber. Um pouco como um reconhecimento de pequenos traços que vão surgindo em silêncio e que preferem a inexistência de palavras para o justificar. Ou tentar explicar. 

 

Lentamente mas em constante e apressado progresso instalou-se a distância. Agora já tudo deixou de provocar um espasmo de espanto, uma leve brisa de emoção sentida. O pior e mais corrosivo dos acontecimentos não suscitou o mais leve dos atritos de indignação ou pacificação. A mente foi varrida e despojada, restando apenas e só as paredes para transportar o eco.

 

Mas creio ter encontrado mais uma justificação para a expressão do que é doloroso. Desconfiado que sou do martelar dos que dizem que a sanidade é possível e que ninguém nasce sem ela. Há o peso de transportar as pinceladas de quem desde cedo se fecha entre os muros do inexpugnável. E é possível sentir o frio que jorra do seu interior. O estado permanente de insatisfação colado aos gestos mecânicos.

 

Torna-se uma grotesca obscenidade que o mais opressivo dos últimos degraus para a demência se revele na crueza dos gritos até que a garganta se recolha e nenhum som consiga encontrar o seu caminho de novo. Um doloroso crocitar invernal e egoísta tomou o comando da voz. Agora que a razão parece finalmente desistir. 

 

Mais vale desistir de tudo, não é? Deixar que se enrole a névoa da despreocupação e do distanciamento.

 

Agora que o último passo foi dado para além da salvação racional. Já que nem sequer os gritos se conseguem ouvir.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)







topo | Blogs

Layout - Gaffe