Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

foto: Leff Jeffries

 

 

Se repararmos bem, existe quem viva para desafiar impossíveis. Quem transporte na expressão a falta de paz perante impossibilidades. Existem os que ouvem o segredar de impossibilidades de vida, tangências e silêncios forçados na expressão. Muitas são as vezes que, no agitar dos dias, se tornam diferentes; como barcos ancorados no seu próprio oceano. Mar dentro de sal e areia.

 

E não é possível esconder este desafio ao impossível. Não existe um rosto de olhares igual ao de quem sabe o que é uma impossibilidade e ainda assim mesmo, luta. Porque são sombras e também luz fina. Não apenas escuridão que oprime, mas recortes de luz ténue e silêncios de uma tirania distante. Tão longínqua como as lágrimas que não vertem.

 

Creio firmemente nas palavras dos rostos impossíveis, porque se dissolvem nas terras e nas casas. E camas. E rezas silenciosas. Quem mergulha profundamente na separação e esquecimento, mesmo assim afirmando "nunca esquecerei". 

 

E se repararmos bem, com olhos finos de atenção, poderemos ver claro como na luz do dia que o mundo, perante os que lutam contra o impossível, apenas continua a imitar os seus movimentos. Os seus gestos e eclipses são a fonte deste mundo. Por baixo de tudo, mesmo sem palavras que o justifiquem, seria insuportável para mim viver sem esta ideia de luta contra impossibilidades. De conseguir misturar-me com eles, nem que seja em pensamentos. 

 

Eu tenho essa certeza.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)







topo | Blogs

Layout - Gaffe