Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Descobrir aos 13 anos, friamente relatado por um médico local que tresandava a álcool,  que muito possivelmente o meu futuro de adulto não seria um paraíso físico normal, que pela forma como se apresentavam as consequências, transformariam a minha vida numa penosa e lamentável jornada, serviu, em muito, apenas para cimentar a minha necessidade de entender o sofrimento. Não a possível dor mental, que nasce em nós e nunca se esvai. Apenas na morte. Antes a física. Algures, o relato médico, hostilizou o meu orgulho. Mesmo que apenas fossem 13  anos, depressa comecei a matutar o que deveria e iria fazer. 

 

Talvez seja revelador do que sou. Não pretendo afirmar o contrário. Mas creio que já nasci assim. Incapaz de aceitar certas realidades. Temos de ser capazes de criar o nosso próprio mundo. Estabelecer regras e aceitar as consequências. O orgulho, por vezes cego e filho da puta, sempre me ajudou a aguentar e até aceitar a dor. Não porque assim tem de ser, mas porque não é possível evitar. Simplesmente por isto. E eu próprio me tornei perito em auto punição. Quando não dói é preciso que o faça acontecer. Sim, irónico mas verdadeiro. 

 

Para superar as minhas limitações físicas, para alem de estudar e continuar a varrer livros, decidi tornar-me forte. Fisicamente forte. Há anos que levanto pesos; cego e surdo ao bradar dos médicos. Imerso no meu universo. A fraqueza muscular já deu o seu lugar ao músculo denso e potente. Tem sido doloroso. Dolorosamente debilitante. Mas a vitima fraca e débil que passava os dias debruçado nos lençóis converteu-se, como outrora alguns gostavam de afirmar, na besta irreconhecível! Já não anda dobrado e vergado. Caminha erecto e ( como sempre...) orgulhosamente capaz.

 

Tenho afinidades sinistras com a dor. Deixei de fugir dela e creio que a aceitei quase como senhora de mim. Decidi tatuar muito dos meus últimos anos de vida. Ainda não foram vividos muitos, mas já deu para preencher os braços e quase estar a terminar as costas. Duplamente doloroso já que tatuar massa muscular excessivamente desenvolta é quase tarefa homérica. Porem eu quero que seja e se faça assim. Desenhar extensões tão grandes é, garanto por minha experiência pessoal, aprender um catecismo de dor que transfigura e remete a uma humildade humilhante. Apenas o orgulho genuíno persiste na febre que assalta e debilita a cada traço. Por isso só consigo rir quando oiço alguém desejar uma tatuagem, já que é moda ter uma "coisinha gira" num tornozelo e esquecerem que deveria ter um significado. Não apenas decorativo. A punição física e mental que aceitei e continuarei a aceitar tem um motivo e uma essência. Conta uma história ainda curta mas que é preciso que eu recorde. Quando me sinto a fraquejar e a fugir, basta que me dispa e depressa recorde.  

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)





Arquivo

  1. 2018
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2017
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2016
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2015
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ
  53. 2014
  54. JAN
  55. FEV
  56. MAR
  57. ABR
  58. MAI
  59. JUN
  60. JUL
  61. AGO
  62. SET
  63. OUT
  64. NOV
  65. DEZ
  66. 2013
  67. JAN
  68. FEV
  69. MAR
  70. ABR
  71. MAI
  72. JUN
  73. JUL
  74. AGO
  75. SET
  76. OUT
  77. NOV
  78. DEZ
  79. 2012
  80. JAN
  81. FEV
  82. MAR
  83. ABR
  84. MAI
  85. JUN
  86. JUL
  87. AGO
  88. SET
  89. OUT
  90. NOV
  91. DEZ
  92. 2011
  93. JAN
  94. FEV
  95. MAR
  96. ABR
  97. MAI
  98. JUN
  99. JUL
  100. AGO
  101. SET
  102. OUT
  103. NOV
  104. DEZ


topo | Blogs

Layout - Gaffe