Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

Depressão seletiva na procura da felicidade ...

 

 

O erro primordial reside na procura de felicidade onde esta não germina. Na obsessão estéril vestida de raquitismo sonhado gigante. Não é virtude tentar furar o impenetrável. Pouca glória tem; menos gloriosa do que as tentativas sistemáticas do louco que se atira contra a parede almofadada com o firme propósito de desfazer o crânio.

 

Manter um esforço primário de sorrir diante tudo e perante qualquer vicissitude da existência, por mais negativa que seja, sempre com aquele bizarro orgulho de persistir na ideia proselitista de que tudo se resolverá por bem, é digno de figurar em qualquer catecismo de salvação. É falso, claro. Como qualquer efeito supostamente edificante e terapêutico do riso forçado. Traiçoeiro e um desperdício.

 

O ódio sincero não é resposta para tudo. Sei. Se muito, confirma apenas a inexistência de absolutos.  Não gostar e não aceitar o riso como santo remédio para uma harmonia que não existe é um ópio apenas sentido por quem não se envergonha de odiar. Mesmo assim está envolto numa pureza assustadora. Como assustador é olhar o abismo.

 

Mas nada existe de puro no desplante do rir forçado. É sinistra a vocação de quem se balança nas cordas imaginárias do mentor venerável do riso. Quem se reúne, como entre um rebanho de tantos outros infelizes, e se dedica a imaginar curas extraordinárias na gargalhada forçada. Começa um e todos o seguem a rir alto. Basta olhar com atenção para observar que se os lábios se alargam os olhos escurecem e nunca sorriem. Só por uma fragilidade tão tacanha se consegue transformar uma emoção rara e que deveria permanecer em estado puro, num simbolismo absurdo e tribal. Um abrir de fronteiras que deveria ser vibrante e catártico torna-se na arbitrariedade caprichosa do placebo espurco.

 

E por experiência pessoal sei que a autenticidade do riso é rara e deve ser como a intimidade entre sombras: esparso mas tão intimista que se torna um privilégio.

 

Também já testemunhei risos mais autênticos no ódio do que na face dos que todos os dias forçam o otimismo insalubre e tentam encontrar a felicidade onde não existe.

 

Tem sido para mim uma lição de vida.

Autoria e outros dados (tags, etc)







topo | Blogs

Layout - Gaffe