Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


 

* Blefaroespasmo ... *

 

 

Fala-me dos rios onde molhou os pés; foram tantos que deixou as memórias afogadas. Apenas tem a necessidade de contar sobre as correntes frias ou amenas. Despertar pelas ondas desfeitas contra as pernas cansadas em frente ao mar; enquanto escuta o gelo a respingar e a rachar.

 

A mente não é pequena. É um abismo imenso. Uma constelação onde se agrupam os livros lidos por uma eternidade desarrumada e suja pelos sorrisos e instantes onde a relva era mais verde, as luzes mais brilhantes. Mesmo as noites eram menos serenas mas mais maravilhosas em pontos brilhantes a descobrir.

 

O mundo parou. Sombras sem pele ou rosto. Quando o passeio era feito de mãos dadas, quentes em afago, contra o frio das tardes. A realidade era transparente, moldada nos rostos conhecidos.

 

O mundo avançou. Peço uma descrição dela. Não do mar ou rios que conheceu.

 

" Foi quando a vi pela primeira vez que realmente entendi a palavra paixão. Antes pensava saber o que era amar."

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

 

 "Por que não deveria eu odiar os meus inimigos, se os "amasse" teria eu a sua piedade ?", Anton LaVey

 

Não consigo entender porque razão se queixam as pessoas da sociedade em que vivemos. A sério! Nem consigo conceber porque acto de maligna contrição as criaturas pensantes deste planeta se arrogam o direito soberano de criticar este nosso modo de viver!

 

Porque vivemos numa sociedade, plano de existência tão criativo, que no mínimo transborda de requintes hilariantes. Razão mais do que suficiente para sorrir e abrir os braços ao mundo que nos rodeia. Tanto e tanto que existe por explorar e conhecer; enquanto vamos desbravando os novos caminhos da justiça social, do falso mito do privilégio branco ou do feminismo imbecil disfarçando as pedradas ao macho com as sequelas do assédio e da misoginia ( Cristo em pulgas! Como adoro estas teorias tão sólidas...).

 

A alegria deveria ser a rodos neste nosso lugar de vida. Agora então, que o cristianismo está morto, podemos assim espancar o moribundo das convicções sem qualquer receio. É mister, no entanto, que o islamismo não seja sequer olhado! Aqui é um caso diferente, que esta é uma religião de paz e para mal dos nossos pecados, atentados não chegam para defender o contrário!

 

Amo desmedidamente este nosso antro de imundice e covardia, sinceramente. O nosso papaguear de igualdade para todos; a superprotecção que transforma as crianças em adultos caprichosos, preguiçosos e cretinos até à medula; a critica sistemática ao modo de vida ocidental por medrosos que não dispõem da coragem necessária para se mudarem, deixando o seu conforto e liberdade de expressão para trás. Como seriam dias esclarecedores para a mente tão preocupada com a injustiça e o racismo desfrutar de uma sharia sempre tão presente! Um apedrejar aqui, por um rosto destapado ou um olhar para outro lado; um atirar de ácido acolá, entre uns belos açoites, ficaria sempre bem a quem cresceu no vil ocidente e o nojo que são os seus homens.

 

Não importam as raças. Importam os dogmas e a imposição forçada com base em religiões. Este doce mundo degenera o cristianismo em agonia. Mas treme de medo porque tem memória colectiva e muito ancestral! Sabe que nada mudou. Quem agora mata em nome de deus tem apenas outro nome. Porque o modo de pensar e agir é o mesmo da idade média; quando se queimavam mulheres pelo mero acto de existir e se decapitavam os descrentes.

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

 

* No 2 fks given ... *

 

 

Não é certo que eu algum dia consiga entender a incapacidade humana para aceitar a transformação; o mero facto de quem acha que devemos permanecer iguais ao que era igual em meses anteriores. Que uma cabeça rapada se torne sinónimo de estranheza quando o preferido eram os cabelos longos.  

 

O simples afecto por uma aparência física mais magra e franzina, sem dúvida menos intimidativo, prefere ignorar quem se esforça por crescer fisicamente; sempre desvalorizando o "monstro" como um cepo macaco e bruto. Torna-se clarividente o olhar perante as alterações, consumado no assomar de uma previsão de futuro negro para o portador de tal porte. 

 

Como em tudo a ignorância é uma ferramenta com um uso muito específico. Existem os que ignoram porque esta é a sua melhor defesa. Os ignorantes porque são incapazes de aceitar a diferença merecem um ódio especifico e muito mais primordial.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

 

 

" Devemos ser gratos aos idiotas. Sem eles, o resto de nós não seria bem sucedido.", Mark Twain

 

 

 

 

O que é mais importante? Ser o mensageiro portador das más noticias e do aquilatar sincero de certas incapacidades que muitos julgam ser suas benignas qualidades; porque afinal é de seres benignos que se orgulham de existir que pura e simplesmente se trata. Não é?...

 

Posso escrever estas palavras com todo o desplante que me apetecer, já que de mim não se rezam exemplos pela positiva. Nem caminhos a percorrer sem o perigo de ceder às tentações menos comuns. Tem as suas vantagens, claro. Porque o muro mais sujo e escuro não interessa, liberta sempre margem para poder observar e aceitar o negativismo alheio com o maior  sossego e por razões de lógica fria, quem está habituado aos disparates dos seres benignos depressa se mune dos anticorpos necessários para aguentar as suas ilusões. Coisa que não parece ser propriedade no sentido inverso.

 

Veja-se uma má noticia e um aquilatar sincero quando se pensava que em certas pessoas, que se orgulham de existir mas sempre na mesma predominância janota, lhes é explicado de forma muitas vezes tácita mas firme e convicta, que são estúpidas. E se recusam a um pequeno vislumbre que seja sobre a possibilidade, por mais longínqua que pareça, de que por norma não se é perfeito coisa alguma! Que de forma implacável e absolutamente necessária é esforço meritório combater estes ventos bucólicos que sempre cozinham a ideia de uma estupidez que não se deve combater a todos os instantes.

 

Por muito que se açoite o mensageiro porque infelizmente apenas acende as luzes para o lado mais frágil mas sempre muito afagado pelo pedantismo do "és um convencido! Não tens defeitos?", a verdade é que existe quem já esteja perfeitamente em paz com as suas incapacidade e jocosas imperfeições. A estes resta sempre o prazer do brinde final, do último expelir de fumo após fragrante refeição; um mundo inteiro, uma Terra com tantas esquinas, feitios e maneiras, mesmo assim, há quem se imagine inextricável na sua estupidez silenciosa e rastejante, sonhando que se trata de uma qualidade essencial à vida.

Autoria e outros dados (tags, etc)

 * The Left Hand Path...*

 

 

Recordo que nunca te afirmei ser belo. Bonito, sequer. Nunca o fiz perante ti ou para quem fosse. E no entanto, a ti nunca te interessou esta fragilidade. Existe a possibilidade, então, de que eu não seja um copo vazio. Que o que contenho consiga despertar amor de uma outra criatura quase inatingível. Quero imaginar que sim ...

 

Escuto. Aprendi a ouvir-te. Encontrar o teu rosto nas  palavras sinuosas de um português esforçado enquanto se vai unindo ao inglês perfeito, entre a suavidade do teu dialecto dos frios nórdicos. Creio que não seja próprio escrever desta maneira mas a verdade é que no calor da tua fala, nos teus gestos livres, me sinto animal sem pernas. Impotente.

 

Mas a minha falta de beleza, tão distante da tua, nunca nos impediu de sermos escuridão. E como tenho provado desse breu que transformas em magnânimo! Um vazio que se inundou. Uma passagem pelos dias de esterilidade para descansar na abundância.

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

* If I sow a wind now,
I will reap a storm ...*

 

 

Fez com que eu voltasse a acreditar no amor à primeira vista. Que afinal foi isso que me sucedeu. Talvez porque sempre pensei que amar ao primeiro olhar fosse uma tempestade de realização, de certeza ante os meus olhos esbugalhados. Como se um túnel de luz se revelasse gigante. Talvez porque achei tratar-se de uma revelação absoluta e certa de que ali estava quem eu precisava e seria o meu farol.

 

Demonstrou-me que pensava errado. Cinquenta anos de união absoluta foram suficientes para que o escutasse e aprendesse as regras mais imutáveis do que é amar ao primeiro olhar. Porque existe uma ausência de beleza estéril na dedicação de quem puxa o cobertor cinzento até aos ombros da companheira sentada, velha enfermeira forçada a deixar de o ser porque os dedos das mãos se torceram e revoltaram. Como uma pianista a quem os dedos abandonam. Mesmo assim, os olhos húmidos e o sorriso aparecem, são o agradecimento cúmplice dos anos de batalha juntos. Estranhamente, aos meus olhos, esta capacidade de sacrifício e apoio mútuo, provoca rasgos imensos nas minhas certezas. Como se ali estivesse encerrada a resposta a tudo o que eu sempre perguntei. Que vale a pena sofrer e penar por outra pessoa. Que para além disso nada mais merece a pena.

 

Este amar à primeira vista não se escreve em poemas ou prosas de valor homérico. Não tem o sabor épico da conquista ou morte em nome de nada. Este amar à primeira vista é afinal, a certeza ao primeiro olhar, de que todos os dias que restam serão gastos com aquela pessoa. É um desejar que a minha solidão seja acompanhada por aquela pessoa. Para onde quer que eu vá. Este amar à primeira vista reveste-se na urgência e saudade de ser capaz e poder adormecer com ela nos meus braços. Protegida do mundo.

 

A cumplicidade que irradia um sol titânico e à prova de deuses questiona a falta de carinho que muitas vezes observo. O caminhar de mãos unidas ou a colher de refeição oferecida em nome de um sentimento sem explicação é a pedra filosofal que procuro. Mesmo que para isso deva sacrificar-me por alguém melhor do que eu. Mesmo que esse sacrificar signifique perder uma parte que me pertence.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

*Desejo eu aos que me interessam, o sofrimento, a solidão, a enfermidade, as perseguições, o opróbrio. Desejo que conheçam o profundo menosprezo de si próprios, o tormento da sua desconfiança, a angústia da derrota. E não os lastimo, pois que lhes desejo a coisa única capaz de demonstrar se valem ou não: a resistência.*

Friedrich Wilhelm Nietzsche

 

 

Essa tendência para a pequena mentira sem importância. O roçar profícuo do falsear em nome de bens maiores sempre me fascinou. Cativa-me a capacidade humana para mentir, principalmente se aparenta evitar males mais tenebrosos. A opereta falsamente orquestrada em nome da manutenção de algo já podre e decrépito. Tem a textura e densidade do olhar do cão raivoso em frente a um braço - sabemos que desgraçadamente estamos a viver uma pequena mentira: um pedaço de carne vai ser arrancado.

 

Existe até uma pequena elite de pequenos mentirosos. Generosos na sua pequena profilaxia de protecção porque por vezes mentir é necessário. Por vezes é até necessário que se rasgue a inteligência alheia com a mentira pequerrucha - esta sim, aguça e impõe o seu fascínio em mim! Veste-se de limpeza aos ventos e dispersão das más companhias enquanto massaja o ego de quem já nasceu inútil.

 

Cada corte feito, por cada sulco de mais uma dose de sabedoria induzida à força de pressão porque de outra maneira não é possível, é neste mentir coroado de brilhantes intenções que melhor pressinto o tipo de criaturas a habitar este plano de existência. Escancaradas em vénias mentirosas, naquela presunção e aceitação de que mais vale uma pequena mentira a aceitar a realidade.  

 

O pequeno mentiroso é um dançarino que, aparentemente, dizem, calça sapatos de cristal. Tem piada. Nunca percebi se é cristalino o mentiroso que acha as minhas qualidades ( que pensa serem poucas ou nenhumas...) mais importantes do que os meus defeitos ou se prefere trocar de sapatos e sair sem barulho quando lhe demonstro que sei exactamente o que dorme em cima do colchão da sua patranha.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

* In Albis ...*

 

 

 

Sou branco. Caucasóide por definição. Orgulho-me da minha cor de pele numa época em que tal parece assemelhar-se a blasfémia e intolerância. Por razões que desconheço e apenas a sofreguidão mental pode justificar, ter a pele clara e ser homem parece ser condição essencial e sintomática de potencial violador de senhoras, racista, mesmo que inconscientemente, e possuidor de privilégios em demasia.

 

Sou branco. Tenho olhos verdes. Não tenho vergonha de ser e ter. Não sou racista porque acredito que a superioridade se deve provar com acções e decisões, não por cores ou conceitos que nunca defendi. Não sou culpado pelos erros de outras gerações mas respeito e aceito tradições e ensinamentos passados. Sou assim, um infame nacionalista apenas porque me orgulho do que sou e do esforço despendido por outros no passado. Porque se erros foram cometidos, esses devem ser atribuídos a todas as raças e costumes.

 

Sou caucasóide porque nasci assim. Recuso-me a aceitar punição ou estigmatização de outros. Considero quem me julga violador, racista, homofóbico e extremista, um inimigo que deve ser isolado. Não me interessam as zonas de conforto alheias porque na generalidade da existência, poucas são as criaturas por quem sinto afinidade.

 

Não acredito em democracias. O ódio racial existe. Sempre existiu. Mas eu não odeio raças. Apenas se fizerem de mim o seu alvo a abater. Não se chama odiar uma raça. Chama-se sobrevivência. Quem tenta impor regras de conduta condenando-me em antecipação pela minha cor de pele tem o mesmo valor. Nulo.

 

A liberdade de expressão, bandeira de tantos e tantas que por estes dias parecem ter vergonha da sua cor de pele, deveria ser aceite na sua plenitude. Não apenas quando convém e concorda com o que se pensa. Por isso a igualdade é uma utopia, a liberdade apenas uma palavra e a sinceridade política uma comédia.

 

Sou branco. Caucasóide por definição. Não me interessam as cores de pele dos outros. Não julgo pelos seus costumes ou vivências. Não aceito ser vitima de ideias e atitudes de quem não tem a mínima noção quem sou só porque se tornou moda cretinos e cretinas de classe média, que nunca sentiram dificuldades para obter o que seja, arfarem sequências paladinas de ignorância e aborrecimento existencial.

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

 * Vinter Vindarnas ...*

 

 

É por dias como este que a revelação tolda tudo o que supostamente pensei saber. Um pouco como um reconhecimento de pequenos traços que vão surgindo em silêncio e que preferem a inexistência de palavras para o justificar. Ou tentar explicar. 

 

Lentamente mas em constante e apressado progresso instalou-se a distância. Agora já tudo deixou de provocar um espasmo de espanto, uma leve brisa de emoção sentida. O pior e mais corrosivo dos acontecimentos não suscitou o mais leve dos atritos de indignação ou pacificação. A mente foi varrida e despojada, restando apenas e só as paredes para transportar o eco.

 

Mas creio ter encontrado mais uma justificação para a expressão do que é doloroso. Desconfiado que sou do martelar dos que dizem que a sanidade é possível e que ninguém nasce sem ela. Há o peso de transportar as pinceladas de quem desde cedo se fecha entre os muros do inexpugnável. E é possível sentir o frio que jorra do seu interior. O estado permanente de insatisfação colado aos gestos mecânicos.

 

Torna-se uma grotesca obscenidade que o mais opressivo dos últimos degraus para a demência se revele na crueza dos gritos até que a garganta se recolha e nenhum som consiga encontrar o seu caminho de novo. Um doloroso crocitar invernal e egoísta tomou o comando da voz. Agora que a razão parece finalmente desistir. 

 

Mais vale desistir de tudo, não é? Deixar que se enrole a névoa da despreocupação e do distanciamento.

 

Agora que o último passo foi dado para além da salvação racional. Já que nem sequer os gritos se conseguem ouvir.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

 

Morto ao amanhecer ...

 

 

É uma estranha veia humorística, a tendência de pestanejar perante o fogo da certeza que embala a ideia do insubstituível. Aceitar como confirmado o chiste do inigualável é tão possante como crer nas impossibilidades vestidas de juras. Pó de engano.

 

Rejeitem-se pois, os ídolos. Recuse-se a ideia vaidosa de que ninguém alguma vez não possa ser invertido e substituído. Que o coração pode guardar algo mais do que o ressoar existencial. Permita-se a impaciência de olhar o outro no preciso momento. Precisamente porque amanhã se pode conjugar um afastamento sem retorno. Muito mais porque é leve e eficiente a doutrina do esquecimento. Nestas horas tudo incendeia este espaço com a paixão mais cadente. Depois regurgita-se aversão até ao seu mero cheiro. 

 

Permita-se.

 

E não este humor duvidoso. Aceitar o insubstituível e respirar com ele. Depois viver o resto dos dias a escutar o lamento órfão de quem escolheu a lâmina mais aguçada. 

 

 

 

 

 

.

Autoria e outros dados (tags, etc)






topo | Blogs

Layout - Gaffe