Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


 " Too Close Enough To Touch ..."

 

 

Existe uma distinta tendência que consome a consciência humana enquanto envelhecemos. Uma dificuldade extrema em aceitar o nosso próprio reflexo. A velhice, estranhamente, não parece pacificar o olhar pessoal; o afastamento da ingenuidade de criança permite que muitos envelheçam na sombra insegura do que realmente se reflecte em nós.

 

Quanto mais se escondem as imperfeições mais imaginativa se torna a vingança deste reflexo. Por isso me sinto bem na companhia dos que aceitam o que são, sempre combatendo a ideia de que não existe salvação. E fico sempre fascinado como certas pessoas lidam com a sua escuridão. Uns lutam para a silenciar, não imaginando que esta é maior, muito maior do as noites frias ou os olhares vazios. Outros, são semelhantes a crianças de passos duvidosos, embriagados pelo brilho que irradia, assustadas pelo seu conhecimento e sem entenderem que existir sem erros e imperfeições é das mais cruéis formas de morte lenta e sem propósito.

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

* If I sow a wind now,
I will reap a storm ...*

 

 

Fez com que eu voltasse a acreditar no amor à primeira vista. Que afinal foi isso que me sucedeu. Talvez porque sempre pensei que amar ao primeiro olhar fosse uma tempestade de realização, de certeza ante os meus olhos esbugalhados. Como se um túnel de luz se revelasse gigante. Talvez porque achei tratar-se de uma revelação absoluta e certa de que ali estava quem eu precisava e seria o meu farol.

 

Demonstrou-me que pensava errado. Cinquenta anos de união absoluta foram suficientes para que o escutasse e aprendesse as regras mais imutáveis do que é amar ao primeiro olhar. Porque existe uma ausência de beleza estéril na dedicação de quem puxa o cobertor cinzento até aos ombros da companheira sentada, velha enfermeira forçada a deixar de o ser porque os dedos das mãos se torceram e revoltaram. Como uma pianista a quem os dedos abandonam. Mesmo assim, os olhos húmidos e o sorriso aparecem, são o agradecimento cúmplice dos anos de batalha juntos. Estranhamente, aos meus olhos, esta capacidade de sacrifício e apoio mútuo, provoca rasgos imensos nas minhas certezas. Como se ali estivesse encerrada a resposta a tudo o que eu sempre perguntei. Que vale a pena sofrer e penar por outra pessoa. Que para além disso nada mais merece a pena.

 

Este amar à primeira vista não se escreve em poemas ou prosas de valor homérico. Não tem o sabor épico da conquista ou morte em nome de nada. Este amar à primeira vista é afinal, a certeza ao primeiro olhar, de que todos os dias que restam serão gastos com aquela pessoa. É um desejar que a minha solidão seja acompanhada por aquela pessoa. Para onde quer que eu vá. Este amar à primeira vista reveste-se na urgência e saudade de ser capaz e poder adormecer com ela nos meus braços. Protegida do mundo.

 

A cumplicidade que irradia um sol titânico e à prova de deuses questiona a falta de carinho que muitas vezes observo. O caminhar de mãos unidas ou a colher de refeição oferecida em nome de um sentimento sem explicação é a pedra filosofal que procuro. Mesmo que para isso deva sacrificar-me por alguém melhor do que eu. Mesmo que esse sacrificar signifique perder uma parte que me pertence.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 * Anoto inevitabilidades ...*

 

 

 

Gostaria que a porta fosse fechada ao fogo. Por um momento que seja, que fosse absorvida a ideia de inevitabilidade. É que entre os gritos e as lágrimas rasgadas e tecidas no que foi feito ou não, seria importante que fosse dito o quanto esta existência é efémera. Que pouco importa o livro lido há semanas entre os segredos guardados lado a lado com o que mais nos importa. Mesmo que por vezes, em dias de agrura mais longa entre as raivas mais descrentes, não se revejam as sementes de um mundo imperfeito. Onde ninguém está sempre certo ou sempre errado.

 

Porque é desta inevitabilidade e fogo primário que temos medo. Da forma como na nossa fortaleza de metal e cimento somos reduzidos às cinzas da morte. Nós! Que sempre julgamos ser práticos e funcionais. Os que gostam de afirmar estar tudo bem para justificar a falta de doenças que nos consumam.

 

Eu tenho receio da existência de silêncios perante a expressão de filhos e mães em descrença. Não conseguir explicar, entre a visão das lágrimas e o negro das queimaduras, que quando tem de ser é. Que o fogo é um rebelde sem lei e não adiantam as expressões de indignação perante o culpado. Mas acima de qualquer outra razão, temo que não seja possível a explicação de uma inevitabilidade que nos rompe na ironia de uma mirada pelo vidro de um carro, entre a companhia escolhida e a dissolução absoluta. E temo não conseguir silenciar a certeza de que não voltará a haver mais fins de tarde e noites de luar.

 

O sofrimento é um ermo desmiolado. Nunca mente, realmente. Mas são as distâncias criadas entre as pessoas que mais pesam nesta inevitabilidade. Não o espaço físico de centenas de metros. Nem sequer na curta distensão de morrer ombro a ombro. Antes nos quilómetros que surgem tiranos com o fim dos que nos são queridos. Quase se revela preciosa a necessidade de choro silencioso e solitário. Perante a impotência.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

* It All Starts From Pieces ...*

 

 

A proverbial crise de meia-idade. Imaginei sempre que se mitificou a chegada a uma meta que deixou atrás de si metade de uma existência. No mínimo, que se exagerou. Ou então tratava-se de uma revolta contra os anos que passam e o desespero  perante erros que não deveriam ter sido cometidos consumindo a consciência. Seja como for sempre tive as minhas dúvidas e descrença.

 

Até ter escutado o recorte confesso de um homem de quem deixara de ter noticias durante semanas. Palavras escutadas que não iluminaram meia existência. Cheiraram a fuga ao desespero por todos os poros.

 

Caso lapidar de suposto sucesso e realização pessoal. Vinte anos de casamento e fidelidade intima inflexível. Dois filhos de maior idade em universidades pagas para transformar cursos em empregados de sucesso. Uma vida estreita e prevista em rotinas férreas de pacificação colectiva. Compreensão mútua e sexo assente na malha do "devo satisfazer para ficar satisfeito". Esposa culta, empreendedora e senhora das suas amizades liberais. Sem quaisquer dúvidas sobre a sua aceitação do direito a outros escolherem a sua sexualidade sem contestação.

 

Precisamente ao chegar aos cinquenta anos, contou-me, algo cedeu dentro de si. São abalos que não surgem do nada ou de uma fragilidade passageira. Recusou o extemporâneo que poderia aninhar um capricho de personalidade. Sorriu quando lhe disse que se suspeitava da influência de outra mulher para tal radicalismo e o seu "não!" foi demasiado claro para ser mentira.

 

Cedeu e abandonou. Voltou as costas numa daquelas vagas de certeza que apenas iluminam as noites em dia uma vez na vida. Quando a recusa de continuar é escrita a ferro e fogo por um abrir de olhos que nos torna insanamente lógicos em transcrições sobre a inutilidade do obtido. Que o engenho tenha sido despoletado aos cinquenta anos ficará para quem defende a crise da meia-idade como uma fase. Como se de um ritual de passagem se tratasse.

 

Com o dinheiro que tinha viajou para outro país. Suportando a raiva e angústia dos outros. Também porque se assumiu culpado e assim foi mais fácil carregar a culpa. Mas creio que tem razão. De facto, acredito que a razão que acende o desespero de certas constatações pode perfeitamente pernoitar na decisão mais critica de terminar com algo antes do tempo. Não viver o que afinal se revelou uma bárbara farsa.

 

E foi a sua expressão, principalmente a sua expressão, que me derrotou fascinando. Numa face com mais traços de expressão desenhados pelos dias ao sol longe do escritório e do ar condicionado, no cabelo longo e cinzento dos anos, penteado sem cuidado para trás da cabeça e na farta barba que lhe cingia o riso agora claro e sem pressa. Tudo e mais tudo exprimia pacificação e libertação naquela expressão. De tal forma que enquanto falava sobre motivos e causas se tornava opressivo nos processos que plantaram o seu desligar e abandono.

 

Não comprou uma mota e foi percorrer o mundo. Não decidiu que queria uma tatuagem rebelde ( de facto, até criticou as minhas "demasiadas tatuagens..." ) e muito menos decidiu que deveria estar bêbado todos os dias em desesperada compensação. Decidiu que não conseguiria conviver com a negação de certas lógicas insanas.

 

E aquela expressão de humilhante felicidade não se finge e muito menos compra. Tomou posse dela aceitando tudo o que perderia e não fugindo ao que iria sofrer no processo.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

O que fazer perante uma morte anunciada? Há muito esperada e com ela antecipar alguma pacificação. Segundo registo a ausência prolongada de inveterados lugares pode ser reveladora, em minha mui modesta opinião, do encontro de si para si com a paz do Senhor. Porventura, aventurada seja!, finalmente acessa a pequena e modesta luz de constatação em diminuta lâmpada que sempre tentou porfiar, julgando-se necessária e douta de malabarismos escritos.

 

Ou então, canalha constatação!, um assombro de vergonhosa realização disseminou portentos de realismo e onde outrora reinava a arrogante certeza habitam agora as tristezas refletidas nas plácidas águas de um charco que nunca foi rio, diga-se. Há muito que assim deveria ter sido: retire-se descansando na paz da nulidade existencial. Espécie de antecâmara para uma morte anunciada. Tardia.

 

Escuto grilos na noite? Ou silêncio de sepulcro? Onde se encontram as passadas vitoriosas e sempre tão conhecedoras desta vida?

 

Talvez o limite esteja atingido. No meio da cornucópia de ilusões e hesitações nem sempre mais sábias do seu devido lugar, a verdadeira recompensa do cobarde exige que este se retire de vez. Em morte há muito prevista e esperada.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

Nas correntes de Nebula ...

 

 

O que realmente confere autenticidade a uma existência em que por norma todos o parâmetros apontam para que esta não seja seja mais do que um piscar de inutilidade, é o segredar de uma  doce convalescença. Mesmo quando uma sentença paira sobre a cabeça desprotegida. Ainda que o inesgotável seja apenas uma palavra sem significado real. Mesmo assim, convalescer ante o inevitável é um néctar apenas saboreado quando as horas deixam de ser inclementes.

 

Aprecio a companhia de quem se habituou ao apedrejar das montanhas. Os que convalescem do estalar da corrente e da sua própria insignificância. Existem num torvelinho de sentimentos que injustamente castiga estas criaturas, que se recusam a penar e a aceitar a piedade dos outros insignificantes. Nem sequer são, como eu, presas fáceis do sustento oferecido pelo ódio. Não odeiam. Sobrevivem. 

 

É estranho e irónico que quando este blog se aproxima rapidamente do seu epitáfio eu aqui tenha, nos últimos dias, conseguido testemunhar o convalescer de quem se esgotou entre as marés. Quem ainda respira e descansa. E isto nem sequer espelha uma homenagem ou redenção da minha parte. Apenas aceitação e orgulho por o ter testemunhado.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

"Eli Eli Lama Sabachthani?"

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

 

"Ascend yourself into the eternal void. Vast darkness till the stellar sphere.
Opening the world, to an era of comatose.

 

Perante a questão, " o que mais gostarias de observar?", sempre enfeitada por adornos de cuidado e preocupação, porque se trata de perguntar a quem nasceu cego e nunca conseguiu um vislumbre de luz ou escuridão, a resposta foi rápida. Surpreendente como o que nos é respondido por uma criança no meio de uma crise de choro e sem aparente razão.

 

" Estrelas. Sim... gostaria de olhar para o céu e observar as estrelas." Assim. 

 

Não uma observação da beleza humana ou da estética animalesca. Ver uma única coisa antes de tudo o que resta. Observar o vácuo e o frio das estrelas que apenas concebe no que não vê pelo que lhe contam. Pelos relatos ouvidos e pelas divagações de outros. Eu principalmente, que nunca me canso de citar Carl Sagan e a meio caminho, Neil Degrasse.

 

Gosta particularmente, quando me esforço por descrever o que eu próprio observo: imensidão vazia. Distância abissal e negro. Prediz um sentimento de arrepio perante o frio estelar e crescem declives na sua testa enquanto vou ficando mais taciturno, imerso na minha própria visão.

 

É um estranho animal, este. Observador de olhos cerrados. Vislumbra com o que cheira e saboreia - consegue distingir os vários sabores sobrepostos numa barra de chocolate. A última infiltração olfativa de Gaultier não lhe é estranha - nunca lhe passa sossegada e na ponta dos pés.

 

Observa porque escuta. Viajante sem olhos. É pelo ouvido que caminha. Entre leituras que vão pingando graciosas. Ora aqui ora por ali. Enquanto bebe o licor escuro "vê"  Hemingway, esse bêbado impassível por quem os sinos dobraram. Imagina John  Steinbeck e remete-se a um silêncio sólido e sentido quando sente a minha fascinação pelo Paraíso Perdido de John Milton e o seu Satanás romântico.

 

Entre as minhas divagações literárias, por vezes, venho a este local. Leio em voz alta a escrita de alguns blogs que me interessam. Genuinamente, este viajante, prefere que leia em voz  pausada, as palavras da Gaffe e as suas avenidas. O que comecei por ler como um mero teste de premeditada alteração de hábitos, converteu-se num prazer semelhante a quem desfruta de uma bebida espirituosa. Escolho as paisagens mais escuras e atmosféricas, enquanto deixo que assente o pó do cansaço dos finais de dia em que nos sentamos frente a frente - quase embriagados pelos vapores de Baco. Agarrados ao surrealismo de mundos de vidro, varandas para o mar e o sorrir niilista perante a mortalidade. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

foto - Sophia Maier

 

 

Não deveria ser concebida uma vida com um pouco que seja de validade existencial sem o presságio  de certos sorrisos. Sabores de uma face. Petulantes e senhores das luzes matinais. Mesmo perante a humilhação destes sorrisos, nenhuma salvação deveria ser concedida. Nem caminhos trilhados. 

 

Não deveria ser pensada, estratificada ou imposta qualquer política humana sem muito antes, num longínquo começo, testemunhar a penitência dos olhos que sabem, semeando, sorrir.  Ainda que para nosso cego espanto, contassem sobre escuridão. Ainda que entre o pó da idade fossem luz. Estranha luz. Como as estrelas da manhã. 

 

A idade envelhecendo deveria, sistematicamente, ser pontuada por certos sorrisos - daqueles que quando testemunhados escorrem o sabor  de uma eternidade sabida apenas por estes alquimistas. Apenas e só.

 

A visão deste sorrir deveria constituir a única e verdadeira lei universal. Acima de deuses ou filosofias. Seria o calar de dúvidas e o sossegar antes da morte. O último suspiro, fechar de portadas antes do fim, deveria ser eleito pela visão de certos sorrisos esculpidos entre os sulcos benignos do pai-tempo. 

 

Só por este sorriso, contemplado mesmo que na mais profunda solidão de morte, algo se acenderia e justificaria termos existido.

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

 

O primeiro toque é sempre fantasmagórico. Ilusório. Como se eu não estivesse realmente presente. Amedrontado pela necessidade extrema de não causar medo. Hábitos criados pelo amor ao silêncio. Na primeira carícia ofereço a garganta, quando a ânsia física transformada em fome se consumou e saciou. 

 

É sempre estranha e desgastante  esta súbita incapacidade de me defender. Por mais que anote nas margens, não existem defesas contra quem nos conhece ao pormenor. Sem uma palavra. Creio piamente que uma muito diminuta e severa minoria de criaturas propaga atmosferas que para animais de sensações como eu são rotas de deslumbramento. Penhascos de tentação e olhares para o abismo.

 

Por isso gosto do silêncio absoluto. É quase absurdo este cismar silencioso. Uma tentativa de abstração obsessiva para ouvir o respirar suave. Para permanecer imóvel ao lado da cama e saborear os ombros a oscilar num respirar tranquilo. Uns olhos cerrados por um descanso vigiado. Sinto-me fantasmagórico e uma presença desnecessária. Não digna. E são frequentes as vezes em que me esqueço de respirar por longos minutos. 

 

Êxtase.

 

Animal de sentidos apurados que não se aprendem. Os dedos pelo cabelo longo, sedoso e negro. E o doce formigar do olfato quando o cheiro das ervas frias nórdicas me invade. A humilhante suavidade de um corpo contra o meu - sólido e demasiado endurecido. 

 

Todas as palavras são linguagem morta até este apurar de sentidos. Todas as atmosferas são apenas espuma ao vento até conseguir um vislumbre da pele branca e angelical, onde morreria por tocar mas temo macular.  As palavras cantadas entre os lábios grossos e vermelhos são a verdadeira mantra. O riso branco e perfeito, entre as pálidas sombras da manhã, são o cálice da minha rendição incondicional. O cheiro suave e onírico de um corpo transformando-se em alfabeto rúnico. 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)






topo | Blogs

Layout - Gaffe