Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



 

Um lapso momentâneo da razão ...

 

" Como é possivel explicar-te a minha vida? Onde posso assentar arraiais e deixar fluir a  dor da admissão? Onde tudo se resume a procurar um fim, acertando contas com tudo?

Mas deixa que divague por outros caminhos que não os teus. Que sejam os meus assuntos a interessar, origem de todos os meus sonhos. Mesmo sabendo, intímamente, que não entendes. Que não aceitas esta minha estranha fixação. Demonologia privada, já o chamaram.

 

Nunca me senti garantido de nada. Nunca senti o privilégio de poder assumir amor incondicional. A sensação intíma de ser eu mesmo. Nasce de uma negação, da falta de compromisso. Tantas vezes me foi repetido. Tantas vezes rasgado em pedaços pela realidade.

Se calhar até é tudo isto. Se calhar. Ou então sou apenas um mero caso de perdido e achado. Quase dá vontade de rir e chorar, não? Isto acaba por ser o mais velho truque do livro desta merda de vida. Correr e respirar, acreditar! Manter a luz acesa. E no fim? Nada. Igual a outros dias.

 

Muito me espanta a capacidade de deduzir em vez de agirem. Tanto se pensa e acha que conhece. E no entanto, recomendo-te que voltes a olhar para esse caixão. Verifica e volta a fazê-lo. Se calhar, quem tu pensas lá estar afinal ainda não morreu.

Os medos que te atormentam não são os meus. E depois, quando abres os olhos, é dia. A luz do sol tem essa têndencia: afastar a frustração e as palavras transformadas em punhos de raiva.

 

Mas como te sentirás se te disser que não és nada? Se te mostrar que as tuas razões e a tua fé não interessam? Que não existe diferença no que me dizes. Que tudo se cria e destrói num corte. Os sussurros de esperança são tão incapazes de me provocar um esboço de sorriso, sequer.

Um coração de pedra, dirás. Seja, o que quiseres. Mas o meu fogo nunca será o teu. Porque não o sei controlar e são mais as vezes que me queimo do que as que me aqueço.

O sofrimento é isto. É a negação e a incompreenção. Passa por ansiar pelos acordes silenciosos da noite, enquanto a maioria suspira pelo dia.

Talvez a dôr me seja demasiado familiar. Pelo menos a física. Mas a doença da alma nunca será aceite. Mesmo sabendo-me pôdre,  sabendo que estou doente, jamais aceitarei a vida como a pintas e desejas."


4 comentários

Imagem de perfil
isto de comentar os blogs é perigoso... mas no meu dialecto diria... "estás todo fodido!" Mas isso é bom, o negro o silêncio a dor a incompreensão e solidão é bem mais difícil, porque só nos temos a nós... e se um dia descobrirmos como é (sobre)viver sozinhos... então já estamos mais próximos do fim dos que apenas sorriem ao passarem pelas coisas...
Imagem de perfil

Fleuma 22.03.2013

Se realmente achas perigoso comentar os blogs, se calhar seria bem melhor que o não fizesses, principalmente se não perceberes nada do que lês. Um pouco à laia do teu suposto dialecto, interrogo-me como raio aqui vieste parar? Tão longe da tua simples rotina Joãorapaz. Presumo, no entanto, que por muito simplória que seja a tua vida, sabes o que é estar fodido? Mas todo fodido com a tua vida? Não creio, johnyboy . O negro é bom por que não vemos certos absurdos, o silêncio também, porque não escutamos banalidades e a solidão? Imensa! Assim, evitamos muitas vezes a necessidade de respirar os mesmos ares de outros.
Sem imagem de perfil

gaby nyx 29.03.2013

A tempos que divago por infinitos blogs a procura de algum com a capacidade de exprimir a propria alma. Creio que este seja um dos mais belos senão o mais belo e expressivo de todos que ja visitei. Pretendo tornar-me uma leitora fiel de tuas palavras. Não é minha intensão bajular ou exagerar em elogios no entanto os que a ti atribui são realmente mérito seu.

Comentar post







topo | Blogs

Layout - Gaffe