Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

 

A biblioteca é um templo. Um local de culto quase circular onde os livros moram juntos, como irmãos de mãos dadas. É possível respirar o seu odor de papel impresso e sorver o que contam; sem pressa e deixando que o tempo se abrigue nas horas.

 

Gosto de ali ficar durante muito tempo. Naquele antro de tanta soberba e maquinações sinistras. Gosto.

 

Um lugar raro tornado ainda mais precioso pelo seu criador cujos olhos não brilham há muitos anos. Tornaram-se brancos rejeitando a luz. Talvez tenha sido esse o preço a pagar para assim conseguir absorver palavras, dialogar com odores e dançar sem a pompa dos idiotas diante dos sons.

 

Estranho, que se não consiga ver e ainda assim se ame um livro imenso de palavras e símbolos. Que se persista na tarefa de juntar catecismos imortais: Nietzsche de mãos dadas com Carl Jung, Fiódor Dostoiévski ao lado de Freud e eu sempre a beber deles! Sempre embriagado pela crueldade de Aleksandr Solzhenitsyn no seu Arquipélago Gulag e eternamente grato a Orwell pela sua Penúria em Paris e Londres.

 

Gosta que eu leia em voz alta. Trechos e traços de tantos e tantos livros onde vai passando os dedos de maneira quase sexual. Por vezes lê pelo tacto. Mas prefere ouvir pela voz de outros. 

 

Quando partilho este local consigo sento-me no centro. Porque sei que acima de mim está uma clarabóia por onde muitas vezes jorram os dias nas suas cores. Um óculo enorme como o olho de um deus. Nada parece perturbar este buraco; nem quando chove furiosamente em geada; nem mesmo quando é da majestade imponente das luzes do outono que se trata.

 

Apenas ilumina aquele mundo.

 

E talvez este senhor saiba disto. Como sabe do sabor das nozes tostadas e do queijo caseiro da D. Alcinda. Talvez consiga sentir o cheiro que emana do corpo debaixo daquela clarabóia, por cima das prateleiras com filas de livros antigos e mais jovens. Talvez.

 

Porque são momentos em que os seus olhos se fecham tapando o branco creme. E o sorriso mais iluminado rasga o rosto. Enquanto escuta a palavra lida torna-se soberbo e digno. Impassivelmente Deus.

Autoria e outros dados (tags, etc)






topo | Blogs

Layout - Gaffe