Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

Nunca conheci Emil Cioran, mas tenho a consciência de que ele sabia algo sobre mim. " Nos Cumes do Desespero", no "Breviário de Decomposição", nos "Silogismos da Loucura", " O Livro das Ilusões", foram páginas caídas como tempestades nas minhas mãos, naqueles dias em que a sede de libertação caminhava a passos gigantes para um desespero pessoal de descrença lunática, estendida para um abismo sem fim. Estranhamente, o Seu pessimismo não esmagou ainda mais a minha visão pessoal. Antes pelo contrário, Cioran falou sobre os meus dias de uma forma elegante, quase paternal. Como um pai paciente a sussurrar a realidade ao ouvido de um filho próximo, tão perto, da loucura.

Se, em mim, Nietzsche fez despertar a "morte de Deus" numa idade excessivamente jovem, talvez abrindo a tampa de um poço negro que deveria ter permanecido selado, as palavras de Emil Cioran agarraram o meu pescoço, torcendo-o apenas levemente, para que os meus olhos se abrissem mais longe com a sua veia trágico-poética, transformado num conselheiro oficial dos "espíritos autenticamente atormentados".

Passo a passo, em cada página lida e relida centenas e centenas de vezes por mim, durante semanas e meses, ao ponto de reconhecer as curvas e inflexões da Sua capacidade que torna o Pessimismo numa arte genial, encontrei a chave que descerrou o cadeado de muitas correntes. Creio que aconteceu quando aceitei a virtude da própria melancolia conseguir ser mais interessante do que a alegria, que eu teimosamente achava ser uma falha minha. Reconhecer a minha capacidade e necessidade de sentir o medo, tornou-se cristalina com Cioran, porque afinal, pura e simplesmente todos somos feitos de medo e inseguranças.

Mas, e visceralmente em mim, Emil Cioran é a suprema potência da alquimia da Insónia. Cioran é, precisamente para os que não dormem. A companhia de um "Igual", a capacidade de trazer aquele sono abençoado, o aconchego do genial louco que consegue ungir a nossa dor mais profunda e intensa, pela compreensão dessa mesma dor, um olhar, um tocar, uma voz de consolo e entrega, umas letras ...

No filósofo Emil Cioran a Insónia refina, tem a virtude imutável de nos tornar milimetricamente originais: " Só o conjunto das nossas Insónias nos destinge dos animais e dos nossos semelhantes". Aceitar a incapacidade de adormecer rapidamente e a sono solto como uma forma de iluminação interior e conseguir, mesmo assim,  reconhecer como o adormecer se converte na nossa mais preciosa necessidade.

Emil Cioran é como um pai porque, na verdade, sabe mais de mim do que eu próprio sei. Escreveu sobre os meus labirintos, sabe das minhas sombras, encosta-se na minha escuridão. Abriu as Suas mãos ao meu desejo arrogante de querer sonhar com impossíveis e não desistir de o tentar, consentir sem medo quem me ame desenfreadamente, mesmo  sabendo que o monstro se oculta desconfiado.

Fleuma,

 

 

A Arte do estremecimento ...

 

Apenas os que não dormem em sono solto sabem verdadeiramente das horas que correm. Conhecem os seus caminhos lentos até ao crepúsculo, os prazeres primários dos silêncios absolutos, a valsa esquecida do olhar que observa, animal silencioso na escuridão. A visão torna-se cerrado na fragilidade de quem dorme inocente, exposta, enquanto respira suavemente, entregue ao amparo do sono em esquecimento. São muitas as vezes que se perdem as horas na penumbra da insónia, essa mestra possessiva e tirana, numa imobilidade opressiva para aqueles de quem o adormecer é um companheiro, enquanto se desfiam pensamentos ruidosos pela noite dentro, num prazer escondido, quase proibido, de vigília nocturna; cada movimento da sombra dormente, cada suspiro de descanso, cada roçar do corpo nos lençóis, passa a ser nosso. Intimamente nosso.

Apenas os que não dormem o sono das águas tranquilas anseiam pelas batidas suaves e distantes de um coração em descanso, a sua melodia, que sabem entoar entre pensamentos, os olhos transformados, que na escuridão, brilham preciosidades, tantas vezes proibidas. É entre estes espasmos sem sono, que certas criaturas verdadeiramente se reconhecem como unas, moléculas singulares, mundo indiviso, onde é quase, quase possível respirar com uma certeza que gostam de imaginar cósmica, divina. Um processo de solidão que encerra o vento nocturno, os ruídos da noite, o reconfortar gelado de certezas, as texturas de certas memórias, tão pálidas como as luzes dos pirilampos.

Quando os primeiros raios de sol rasgam estes encantamentos e a alquimia do derradeiro cansaço finalmente consome este não-dormir,  cedemos à tirania de um sono que retira de nós as correntes de uma insanidade que muitos desconhecem.

 

Fleuma,

 

 

 

 

A eternidade num instante




Arquivo

  1. 2023
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2022
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2021
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2020
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ
  53. 2019
  54. JAN
  55. FEV
  56. MAR
  57. ABR
  58. MAI
  59. JUN
  60. JUL
  61. AGO
  62. SET
  63. OUT
  64. NOV
  65. DEZ
  66. 2018
  67. JAN
  68. FEV
  69. MAR
  70. ABR
  71. MAI
  72. JUN
  73. JUL
  74. AGO
  75. SET
  76. OUT
  77. NOV
  78. DEZ
  79. 2017
  80. JAN
  81. FEV
  82. MAR
  83. ABR
  84. MAI
  85. JUN
  86. JUL
  87. AGO
  88. SET
  89. OUT
  90. NOV
  91. DEZ
  92. 2016
  93. JAN
  94. FEV
  95. MAR
  96. ABR
  97. MAI
  98. JUN
  99. JUL
  100. AGO
  101. SET
  102. OUT
  103. NOV
  104. DEZ
  105. 2015
  106. JAN
  107. FEV
  108. MAR
  109. ABR
  110. MAI
  111. JUN
  112. JUL
  113. AGO
  114. SET
  115. OUT
  116. NOV
  117. DEZ
  118. 2014
  119. JAN
  120. FEV
  121. MAR
  122. ABR
  123. MAI
  124. JUN
  125. JUL
  126. AGO
  127. SET
  128. OUT
  129. NOV
  130. DEZ
  131. 2013
  132. JAN
  133. FEV
  134. MAR
  135. ABR
  136. MAI
  137. JUN
  138. JUL
  139. AGO
  140. SET
  141. OUT
  142. NOV
  143. DEZ
  144. 2012
  145. JAN
  146. FEV
  147. MAR
  148. ABR
  149. MAI
  150. JUN
  151. JUL
  152. AGO
  153. SET
  154. OUT
  155. NOV
  156. DEZ
  157. 2011
  158. JAN
  159. FEV
  160. MAR
  161. ABR
  162. MAI
  163. JUN
  164. JUL
  165. AGO
  166. SET
  167. OUT
  168. NOV
  169. DEZ


topo | Blogs

Layout - Gaffe