Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

Na primeira vez os olhos não conseguem permanecer distantes, incapazes de compreender aqueles primeiros instantes de portento. Nestes estranhos momentos, a ilusão da permanência deixa de ser apenas um mero sonho, acredito. Uma primeira vez, para deixar que sobreviva dentro de mim aquele pensamento que alimenta a chama de que algo irá continuar muito além de meros instantes, de que não será apenas breve e depois esmorece. Sempre bateu mais forte o coração assustado nestes primeiros instantes da mais absurda incompreensão, como se este vacilar diante disto, nada, rigorosamente nada mais fosse do que aceitar uma derrota de fragilidade pessoal. Há uma submissão a uma certa vitória dos outros em mim que sempre me trouxe o sabor amargo da cedência, uma sinistra glorificação de morte interior que me consome os dias,  por vezes durante meses; um passear na escuridão a que me submeto com aquele rigor antropófago da mente que procura uma saída para uma evidência, não pela arrogância de quem se acha irredutível, mas antes pela chicotada de quem reconhece uma semente de esperança em si, mesmo sabendo-a rápida e ilusória. 

Às vezes basta a pequena chispa de uma voz para desencadear as minhas tempestades. A vitória de quem acendeu este rastilho sobre quem se deixa adormecer na ilusão de que algo irá permanecer para sempre, é um caminho escorregadio e perigoso para a sanidade pessoal. É uma cedência do cinismo frio e analítico, demónios inconstantes, à descoberta da presença em mim de uma emoção que demasiadas vezes julgo desaparecida: o espanto que me submete a visão sem a possibilidade de distancia. Apenas uns poucos o conseguem com uma cadência embriagante. E quando nasce pela potência da surpresa, quando aparece no meu caminho sem aviso, quando consigo sentir aquele precioso estremecer de espanto repentino, tudo o que importa nesses precisos minutos é essa dádiva que me força a esquecer um passado em que decidi matar a minha última esperança.

( Fleuma )

Tags:

 

 

 

Sean Mundy

 

Um dos primeiros e mais seguros sinais de desvirtuação individual é a incapacidade do pensamento próprio - essa "magna atitude" que submete o orgulho, obtendo uma mistela asquerosa de narcisismo imbecil e submisso, confundindo a nobre arte da auto-estima com os acessos piedosos e infantis que recusam os factos porque estes ferem as emoções. Esta falta de pensamento, este acarinhar de um sentimentalismo desprovido de farpas que torna mansas certas criaturas, eterniza cismas e sectarismos, não aceita a nossa indiferença perante as escolhas pessoais dos outros como justificações para uma constante necessidade de atenções e massagens no ego. Emil Cioran escrevia, " Somente o que está escondido é profundo e verdadeiro. Daí a força dos sentimentos vis.", e não poderia ser mais premonitório no seu cinismo descrente numa sociedade que nada preserva, nada reserva, tudo expõe e pura e simplesmente odeia a palavra intimidade! 

( Fleuma )

Certos locais de escrita são como pequenas candeias que iluminam as noites mais escuras, por vezes fora da nossa rota, apenas visíveis aos que caminham e pressentem os seus ventos distantes. Porque nesses locais de escrita a palavra soa-me a outro vento que poucas vezes senti. É estranha esta virtude que mora nos dedos de certos, a estranha capacidade dos que caminham entre labirintos sem temor de locais ermos e escuros, o seu desapego - este mesmo sabor - sempre foi para mim uma fonte de obsessão, uma porta para o outro lado. 

Descobri que em certos locais de escrita as minhas chaves de portas são forjadas no metal cristalino da Saudade e da Nostalgia, que não interessa se é manhã ou entardecer, sequer se é noite de chuva. Que alguém não olhou o monstro em mim e simplesmente estendeu palavras escritas como dedos esticados entre sombras - sem medo dos dentes escondidos.

Certos locais de escrita quando trancam as suas portas deixam no ar a memória de uma casa iluminada por um sol terno do inicio de Outono, banhada em claridade aconchegante. Apetece aspirar os seus sonhos e passos distantes, deixando cintilar a certeza de que uma nova solidão mora agora nesses raros locais.

O caminhante carrega essas memórias fechadas em si. 

E é estranho o seu sabor.

(Fleuma)

Tags:




Arquivo

  1. 2024
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2023
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2022
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2021
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ
  53. 2020
  54. JAN
  55. FEV
  56. MAR
  57. ABR
  58. MAI
  59. JUN
  60. JUL
  61. AGO
  62. SET
  63. OUT
  64. NOV
  65. DEZ
  66. 2019
  67. JAN
  68. FEV
  69. MAR
  70. ABR
  71. MAI
  72. JUN
  73. JUL
  74. AGO
  75. SET
  76. OUT
  77. NOV
  78. DEZ
  79. 2018
  80. JAN
  81. FEV
  82. MAR
  83. ABR
  84. MAI
  85. JUN
  86. JUL
  87. AGO
  88. SET
  89. OUT
  90. NOV
  91. DEZ
  92. 2017
  93. JAN
  94. FEV
  95. MAR
  96. ABR
  97. MAI
  98. JUN
  99. JUL
  100. AGO
  101. SET
  102. OUT
  103. NOV
  104. DEZ
  105. 2016
  106. JAN
  107. FEV
  108. MAR
  109. ABR
  110. MAI
  111. JUN
  112. JUL
  113. AGO
  114. SET
  115. OUT
  116. NOV
  117. DEZ
  118. 2015
  119. JAN
  120. FEV
  121. MAR
  122. ABR
  123. MAI
  124. JUN
  125. JUL
  126. AGO
  127. SET
  128. OUT
  129. NOV
  130. DEZ
  131. 2014
  132. JAN
  133. FEV
  134. MAR
  135. ABR
  136. MAI
  137. JUN
  138. JUL
  139. AGO
  140. SET
  141. OUT
  142. NOV
  143. DEZ
  144. 2013
  145. JAN
  146. FEV
  147. MAR
  148. ABR
  149. MAI
  150. JUN
  151. JUL
  152. AGO
  153. SET
  154. OUT
  155. NOV
  156. DEZ
  157. 2012
  158. JAN
  159. FEV
  160. MAR
  161. ABR
  162. MAI
  163. JUN
  164. JUL
  165. AGO
  166. SET
  167. OUT
  168. NOV
  169. DEZ
  170. 2011
  171. JAN
  172. FEV
  173. MAR
  174. ABR
  175. MAI
  176. JUN
  177. JUL
  178. AGO
  179. SET
  180. OUT
  181. NOV
  182. DEZ


topo | Blogs

Layout - Gaffe