Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Por vezes, no regresso a este local, sinto uma estranha emoção, muito interna, muito presente. Neste ponto onde tento respirar outra atmosfera, respiro saudades de ti. Creio que é de egoísmo que escrevo estas palavras, de ingratidão porque me afasto para demasiado longe com demasiada frequência, mas pouco me interessam essas falhas. Certos vazios nunca são realmente preenchidos mesmo que consideremos ser um direito criar o vácuo. A saudade não deixa de estar presente ainda que breve, mas é terrivelmente intensa como aquele instante de quem entra em casa e tudo está vazio e silencioso, um caminho que abre as portas e anda pelos corredores sem uma presença, sem um som além dos seus próprios passos. Este torpor que sujeita os sentidos fascina-me mas embrutece o pensamento porque algo está ausente, perdido entre uma certa nostalgia do que não irá regressar. Sabes que eu acho a saudade e a nostalgia em facas de fios afiados que rasgam e mutilam sem piedade. Sabes que sim. E assim deve ser para sentir o verdadeiro sabor do valor de quem, em momentos únicos, partilhou as minhas palavras e me chamou amigo. Algo primário e visceral como se nesses precisos momentos, a viagem não fosse solitária, pelo menos neste local. 

Para mim é o acenar a uma vontade de não esquecer o que não é fácil de encontrar.

O assentir à preciosidade de uma porta aberta.

(Fleuma)

 

A saída pelas portas deslizantes deixa atrás de nós os corredores brancos e o ruído dos passos de gente - demasiada gente...

O meu nariz saturado pelos odores. E a pacificação de mais um diagnóstico tranquilo que ainda assim, sistematicamente, agitam as minhas noites e os meus caminhos enquanto a acompanho. Porque nada mais posso fazer - apenas acompanhar e aceitar a memorização destes passos entre as paredes imaculadamente brancas e o assobiar do calçado no chão esterilizado, que eu sumamente abomino e vou sempre odiar, porque nunca deixará expiar as recordações de um passado onde a morte pareceu sentar-se junto à sua cabeceira, pacientemente. Uma velha Senhora. Uma sábia artesã de incertezas e derrotas sem regressos.

Devia antes rejubilar pelas suas vitórias, quando na sua face já se traçavam os esquissos de um fim prematuro. Antes dobrar um joelho para o chão e baixar a cabeça em absoluto sinal de reverência, porque afinal, isso é o que deve ser feito diante dos que verdadeiramente combateram, perante o brilho cego da sua armadura veterana de mil noites de tormenta, mas vencedora. 

Tudo isso eu faço. Esse reconhecimento existe em mim. Esse reconhecimento e assombro por essa criatura que venceu, Ela e apenas Ela, uma escuridão onde eu já me havia perdido. Tudo isso eu assumo. A minha fraqueza de espírito e descrença, vergaram os meus pensamentos a uma rendição vergonhosa e subtilmente cruel porque não aceito essa derrota. Nada é mais venenoso em mim do que o pensamento que aceita e pacifica a minha derrota como um "gesto causado por uma exaustão absoluta"! Recuso negar a mim próprio este flagelar porque recuso esquecer-me. Eu nunca me esqueço! Eu nunca me esquecerei. 

Permito, mesmo assim, o consolo de um privilégio raro, a virtude do olhar que insisto sempre que seja muito breve, por um receio visceral do que passou afinal ainda esteja presente, tudo não seja mais do que um sonho. Mas preciso deste olhar para um descanso breve. Necessito de testemunhar a sua transmutação de um calvário frio e escuro, das noites agarrado à sua mão pálida, a sussurrar a sua melodia preferida, mal conseguindo ver uma luz nos olhos verdes. Sei perfeitamente o sabor do desespero mais surdo! Sei qual é o seu gosto - sabe a desesperança e reduz tudo o que nos rodeia a meros flocos de pó - é cozinhado em labirintos que não deviam existir. Mas estão vivos. 

Necessito de ver como se tornou bela com o passar do tempo num portento criado pela conjugação perfeita. O cintilar dos olhos verdes, vivos e sagazes, a força de um corpo forjado na guerra, o assombro de uma alma cuja essência só consigo explicar por pensamento, a palavra nunca lhe fará a justiça! A minha indiferença perante o que me rodeia quando a acompanho combate o pensamento que não me deixa esquecer um momento de derrota. E o sabor de uma bola de chocolate negro gelado banhado em café morno, esse repetir do primeiro instante de libertação, de vitória, esse ritual que jurámos ser eterno, é o momento mais magistral da minha miserável existência! Este e apenas este instante justifica a minha sanidade.

( Esta necessidade de expurgar.

Este veneno digerido pela força.)

(Fleuma)

 




Arquivo

  1. 2024
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2023
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2022
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2021
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ
  53. 2020
  54. JAN
  55. FEV
  56. MAR
  57. ABR
  58. MAI
  59. JUN
  60. JUL
  61. AGO
  62. SET
  63. OUT
  64. NOV
  65. DEZ
  66. 2019
  67. JAN
  68. FEV
  69. MAR
  70. ABR
  71. MAI
  72. JUN
  73. JUL
  74. AGO
  75. SET
  76. OUT
  77. NOV
  78. DEZ
  79. 2018
  80. JAN
  81. FEV
  82. MAR
  83. ABR
  84. MAI
  85. JUN
  86. JUL
  87. AGO
  88. SET
  89. OUT
  90. NOV
  91. DEZ
  92. 2017
  93. JAN
  94. FEV
  95. MAR
  96. ABR
  97. MAI
  98. JUN
  99. JUL
  100. AGO
  101. SET
  102. OUT
  103. NOV
  104. DEZ
  105. 2016
  106. JAN
  107. FEV
  108. MAR
  109. ABR
  110. MAI
  111. JUN
  112. JUL
  113. AGO
  114. SET
  115. OUT
  116. NOV
  117. DEZ
  118. 2015
  119. JAN
  120. FEV
  121. MAR
  122. ABR
  123. MAI
  124. JUN
  125. JUL
  126. AGO
  127. SET
  128. OUT
  129. NOV
  130. DEZ
  131. 2014
  132. JAN
  133. FEV
  134. MAR
  135. ABR
  136. MAI
  137. JUN
  138. JUL
  139. AGO
  140. SET
  141. OUT
  142. NOV
  143. DEZ
  144. 2013
  145. JAN
  146. FEV
  147. MAR
  148. ABR
  149. MAI
  150. JUN
  151. JUL
  152. AGO
  153. SET
  154. OUT
  155. NOV
  156. DEZ
  157. 2012
  158. JAN
  159. FEV
  160. MAR
  161. ABR
  162. MAI
  163. JUN
  164. JUL
  165. AGO
  166. SET
  167. OUT
  168. NOV
  169. DEZ
  170. 2011
  171. JAN
  172. FEV
  173. MAR
  174. ABR
  175. MAI
  176. JUN
  177. JUL
  178. AGO
  179. SET
  180. OUT
  181. NOV
  182. DEZ


topo | Blogs

Layout - Gaffe