Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



 

Aceito a morte. A minha e de tudo o resto. Não aceito a tua morte. Aceito que os rios e oceanos morram. Que não consiga partir o meu corpo e escapar das correntes oferecidas e sacrificadas pela minha mãe quando nasci. Não aceito que morras em mim. Aceito que seja o teu monstro, que me ensinaste os caminhos de entrada sem que soubesse sair. Aceito. 

 

Aceito até a cegueira de quem julga caminhar erecto sem saber que coxeia. Estão mortos, eu sei. Mas jamais aceitarei a tua morte. Exijo morrer primeiro. Porque nunca precisei de muito para aceitar o lítio desta escuridão. Nunca deixei de procurar, vagueando, o fim. Não aceito que te afastes antes de mim.

 

E dizes que não sou um monstro. Antes que me perco em demasia e que gosto de conversas nocturnas sobre a morte. Mas não  te aceito nela. Antes irei eu. E Deus. E o inferno. Observa como viverás eternidades antes da morte! Talvez seja esta a recompensa de quem se julga só e aceita que uma mão quente se aperte na sua. Talvez.  

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

Imagem de perfil

De Rii* a 01.06.2016 às 14:25

obrigada pelo teu comentário...
na tua escrita obscura há o delírio daquela luz que se enxerga sem ver....

Comentar post







topo | Blogs

Layout - Gaffe