Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



 

Acredito intensamente na ideia que dita humildade perante as estrelas. Martelo sistematicamente este preceito porque sou um viajante; não apenas mental. Físico. Em deslocação. Quem aceita esta condição, longe do conforto da casa e das amizades garantidas, sofre a exasperante condição de testemunhar como somos pequenos em todos os sentidos. Humilha-me que o universo não queira saber de nada nem de ninguém.  E a distância é uma cínica aliada das estrelas lá em cima. Basta olhar para aquele pequeno ponto ao longe. Tentar chamar-lhe casa onde vivo. Onde estou eu e os outros. Onde está a alegria e a saudade do contacto. Basta.

 

Para poder absorver um humilhante anonimato. Para sentir toda a humildade que noutras ocasiões me recuso aceitar. E porque importa isto? Porque gostaria de reduzir a zero esta sensação de nada valer e nada adiantar. Sinceramente? Acaba por ser um estranha folia esta: entender que a distância, um pequeno ponto lá no alto, a milhares de quilómetros, consegue humilhar-me sem piedade. Pela indiferença que assume.

 

 

 

 

 


1 comentário

Imagem de perfil

Rita 04.07.2016

este teu texto distancia me de tudo o que faz sentido na minha vida, ser um mero viajante, ser um mero alguém....
obrigada pelo teu comentário vou tentar publicar mais vezes...
fica bem

Comentar post







topo | Blogs

Layout - Gaffe