Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

" The litle shadow of you ..."

 

 (999)

 

 

Não concedo a mim mesmo aceitar a transformação forçada pela existência de outra criatura que se converteu numa chama demasiado brilhante. Recuso-me a aceitar a minha incapacidade de poder sonhar com um futuro sem que toda a soma e diminuição envolva o respirar com ela; que se tornem amargos todos os dias de viagem outrora solitária, perdidos nesta fome estranha e debilitante.

 

Todos os dias são de batalha contra este fogo lento. Questiono como foi possível permitir este assombrar por quem se veste de fragilidades? Como pode o que é rochoso evaporar-se ao riso branco e cristalino. Onde reside realmente o propósito de me render a esta devastação? Que incapacidade humilhante é esta de resistir a uma sensualidade tão carnívora e real? Como se podem baixar os braços sem questionar? Como se já a esperasse há muito tempo.

 

Quando não somos nós a encontrar mas a ser encontrados tudo se transforma em sentimentos pardos. A língua que toca na face é a demonstração cabal de uma animalidade intrínseca que se revela mais uma das suas artes escondidas. As mãos suaves, desmedidamente suaves, tantas vezes conseguem espairecer o fluxo sanguíneo de um corpo sistematicamente tenso, pressionando o pescoço rígido, descomprimindo a alma; relembrando-me com uma mestria absurda que também existe em mim ossos e carne.

 

Existe uma persistente analogia que perfura sem retiro a minha consciência desde os primeiros momentos em que estou acordado até aos últimos segundos antes de adormecer. Estranhamente, reduz a nada tudo o que aparece cantado por bardos e poetas. Não cheira a rosas ou traz consigo o amanhecer dos recantos amorosos. Tem a potência de um manifesto venenoso para criaturas como eu. Uma necessidade de repetição; como um último desejo antes da morte. Torna-se absolutamente essencial que volte a escutar uma única voz. Uma gargalhada que consegue dissolver ácido e ódio. Um círculo de braços em volta do meu pescoço enorme, pernas cercando a minha cintura, seios contra as minhas costas e um perfumado respirar na minha nuca, enquanto carrego o seu peso de anjo: para que os seus pés não percam o calor no chão gelado. Porque as minhas botas são sempre mais pesadas e grossas do que as suas.

 

Recuso aceitar uma criatura que me salva pela mera força de existir. Não aceito que seja tão ténue a linha do prazer e dor. Recuso a vitalidade que devolve ao que perco. E no entanto, eu sei que tenho mais do que mereço. E alguém sabe, advinha, como bate a minha alma. Sabe que daria a minha miserável existência por ela. Nada tem de dramático ou romântico, esta morte. Seria apenas a mais valiosa oferta  da minha posse.

 

E seria pouco. Nada.

Autoria e outros dados (tags, etc)





Arquivo

  1. 2018
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2017
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2016
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2015
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ
  53. 2014
  54. JAN
  55. FEV
  56. MAR
  57. ABR
  58. MAI
  59. JUN
  60. JUL
  61. AGO
  62. SET
  63. OUT
  64. NOV
  65. DEZ
  66. 2013
  67. JAN
  68. FEV
  69. MAR
  70. ABR
  71. MAI
  72. JUN
  73. JUL
  74. AGO
  75. SET
  76. OUT
  77. NOV
  78. DEZ
  79. 2012
  80. JAN
  81. FEV
  82. MAR
  83. ABR
  84. MAI
  85. JUN
  86. JUL
  87. AGO
  88. SET
  89. OUT
  90. NOV
  91. DEZ
  92. 2011
  93. JAN
  94. FEV
  95. MAR
  96. ABR
  97. MAI
  98. JUN
  99. JUL
  100. AGO
  101. SET
  102. OUT
  103. NOV
  104. DEZ


topo | Blogs

Layout - Gaffe