Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



 

" Aos discordantes ..."

 

 

É com revigorado contentamento que renasce em mim a centelha da esperança na raça humana. Essa proverbial casta de valores assentes na razão, que deveria ser imensa, faustosa nos seus predicados de evolução. 

 

Sinto uma necessidade imperiosa, doce vontade de pernoitar no sedoso ventre de alabastro de todos aqueles que desejam o mesmo no final de todos os anos. Creio ser virtuoso até da minha fraca vontade, retirar o meu pobre chapéu da consciência, aos sistemáticos críticos do consumo natalício e que, por obra de uma vontade que os devora, terminam a noite em festa e barrigas plenas de gases. Não é sua culpa, deus que nos livre! Mas é preciso tal esforço - pelas crianças que adoram!

 

Aconchego este corpo pecador bem como este pensamento que teima em olhar grandes grupos como massa do mesmo tacho onde se pensa, deseja e festeja exactamente na mesma prosa e verso. Vacilo até perante o expoente de poder que é o desejar as mesmas coisas de outrora, sempre as mesmas, mastigando passas. Em cima de uma cadeira ...

 

Venerável é a raça de gente que promete e não cumpre. Perder peso. Poupar mais. Estar atenta e deixar que entre o sol no nosso mundo, que de escuridão já basta.

 

Sim.

 

Seria importante para criaturas danadas como eu eliminar o meu descontente pensar, mantendo esta centelha revigorante e selvagem da esperança se por fim conseguisse parar de ler e ouvir tacadas de inconsciente ignorância, que são decalcadas servilmente de um qualquer antro da rede social.

 

Imitar é uma arte antiga, batida e por vezes supera até o mestre. Mas repetir até ao mais pequeno dos batimentos ignorantes a mantra do que se lê em "posts" recheados de rancor e má informação é denegrir em demasia a arte de imitar.

 

Claro que me sinto uma vil criatura neste mar de emoções ignorantes. Como não havia de me sentir? Sou homem. Sou branco. Desde logo privilegiado. Tudo o que consegui foi por exploração. Pisando e gozando. Racista. Desde já. 

 

Deus que me afundo!

 

Esta ignorância caseira, lida sempre nas mesmas fontes e sem esforço para olhar o outro ponto, calcina a minha vontade. Disparam-se grunhidos sem deixar o conforto e bem estar da casa. Proclama-se o direito à denúncia sem aceitar o óbvio; as suas próprias existências são a miséria da dependência visual, da imitação macaca e da memória dos 3 segundos.

 

Repete-se sempre a mesma receita e bálsamo: discurso livre e liberdade de pensamento. Mas não para quem discorde dos seus pontos de vista. Enquanto se vão devorando os doces contrariados mas porque é tradição e desejando boas festas e um ano novo mais próspero e de igualdade, seria de bom tom para almas perdidas como a minha que finalmente se apagasse a utopia de que um dia seremos todos iguais e felizes.

 

Só por esta noção ressaltam as minhas entranhas. Todos iguais.

 

No mês de Dezembro. Nos eternos votos nunca cumpridos.

 

Nas mesmas ideias copiadas. Na assimetria retardada dos críticos que nunca experimentaram realmente nada.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Isa a 18.12.2018 às 19:33

Meu caro, subscrevo até os espaços entre parágrafos.

Já não se sente somente o aborrecimento, o peso da hipocrisia, o tédio das frases feitas repetidas à exaustão.
É nojo mesmo.
Um nojo tremendo. (Ou pena de nós. O que espremido vai dar ao mesmo)

Até as putas das luzinhas me enervam, imagine-se o sorriso largo do alheio, com os votos de "boas festas", "santo natal" ("santo", pelos deuses, "SANTO" com metade do mundo a comer a outra metade sem sequer a consideração de os matar primeiro), mesas fartas com gente à fome o ano inteiro, e aquela felicidade tão característica do burro egocênctrico, que por ir espetar com uns casaquinhos numas árvores, por exemplo, se emociona com o seu magnânimo acto de qualquer coisa que lhe sossega a consciência, esperando ter sido filmado ou fotografado por algum pasquim, durante esse doce acto.

Grande texto, como sempre.
Imagem de perfil

De Fleuma a 19.12.2018 às 18:09

Eu, por obra e graça de algo pouco amigo desta época, vou estar longe e a fazer algo muito superior a estes dias. E que prezo bem mais.

Senão creio, genuinamente, que seria melhor para mim ficar escondido numa cave escura.

Se calhar sou eu, mas não consigo deixar de me enervar com tanta ovelha.

Comentar post







topo | Blogs

Layout - Gaffe