Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

“O lirismo do sofrimento é uma canção do sangue, da carne e dos nervos. O verdadeiro sofrimento brota da doença. Por isso, quase todas as doenças têm virtudes líricas"

 ( "Nos cumes do Desespero" -  Emil Cioran )

 

Lembro-me da primeira vez que li o que escrevia num daqueles dias de silêncio absoluto e cadavérico, desalinhado com as horas, sem distinguir se era manhã se afinal já estava a anoitecer. Lembro-me como fui deixando avançar os olhos pelas palavras, que acredito, foram escritas com aquela distensão de quem respira uma sofisticação desconhecida em si, naquele acto descuidado de libertar os pensamentos através de emoções que em mim estão adormecidas. 

Pressenti um monstro que parecia caminhar sozinho, que parecia ter retirado algo suspeito de dentro de si e o atirou para o chão branco de uma página. Queria ver o que se mexia dentro daquela caixa negra. Acho que a consegui abrir com a imprudência do cansaço...

Miséria, tristeza e uma dor surda à flor da pele.

Uma solidão e ao mesmo tempo uma ânsia de continuar, como se tivesse uma absoluta e cristalina certeza de que morreria se perdesse tudo isto. 

(Fleuma)

Tags:







topo | Blogs

Layout - Gaffe