Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

 

 

 

Die Glocke ...

 

(999)

 

Reveste-se de suma importância a moralização. É necessário para a humanidade não periclitar que exista quem aponte o dedo em aviso, tentando dissolver a escuridão que persiste em morar nos corações mais corruptos. Não deveria ser contestada, pelo menos por quem se considera racionalmente estável, a necessidade imperiosa de punir certas falhas morais que vão desviando as almas mais permeáveis; ainda que nestes dias se recorra aos conselhos sábios pejados de censura, já que chicotes e danações são métodos de outras eras. Saudosas épocas. Mas de outros tempos.

 

Persisto num fascínio que muitos afirmam doentio. Fixativo na consumada estrutura, tão apascentada e orgulhosa na sua imagem, de quem soletra palavras como "moral duvidosa" e principalmente, " vida promiscua": de cana em riste e apontando outros caminhos; como professores ou tutores eméritos. Sempre com um ar severo de quem muito tem para mostrar e nada a esconder.

 

Abato-me severamente em inferioridade com as senhoras que cheiram a rosas. Sempre insistentes no seu aspergir moral perante um promíscuo. Agredi-me a sua santidade de resguardo e temor. Como que temendo a violação dos seus espíritos com correntes de gelo; existem criaturas estranhas e pouco morais. São senhoras que sabem que sim. É possível. Salvem-se virtudes por destemida defesa moral. Garantem-se assim inviolabilidades.

 

Sincopado, mais me recolho em embaraço, aos pequenos senhores revestidos do aço sólido da demanda virtuosa de salvamento. Como poderia resistir eu a certas façanhas tão padrecas do virtuoso que inala o perfume jacobino com conta, peso e medida? Bate ardentemente na palavra, nunca se cansando de tentar o castramento alheio. Porque deveria ser assim, agora. Como antes o foi. Pequeno homem: absurdamente castrado por senhora a cheirar a rosas.

 

A moral deixa-me inerte. Reduzido a um veneno. Em leproso isolamento. Não existe a beleza da harmonia nos meus dias. Devo deixar de respirar sem a subsistência vigorosa do alimento moral.

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)





Arquivo

  1. 2018
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2017
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2016
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2015
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ
  53. 2014
  54. JAN
  55. FEV
  56. MAR
  57. ABR
  58. MAI
  59. JUN
  60. JUL
  61. AGO
  62. SET
  63. OUT
  64. NOV
  65. DEZ
  66. 2013
  67. JAN
  68. FEV
  69. MAR
  70. ABR
  71. MAI
  72. JUN
  73. JUL
  74. AGO
  75. SET
  76. OUT
  77. NOV
  78. DEZ
  79. 2012
  80. JAN
  81. FEV
  82. MAR
  83. ABR
  84. MAI
  85. JUN
  86. JUL
  87. AGO
  88. SET
  89. OUT
  90. NOV
  91. DEZ
  92. 2011
  93. JAN
  94. FEV
  95. MAR
  96. ABR
  97. MAI
  98. JUN
  99. JUL
  100. AGO
  101. SET
  102. OUT
  103. NOV
  104. DEZ


topo | Blogs

Layout - Gaffe