Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



(999)

 

Lamento estes silêncios absurdos, quando o que deveria suceder eram palavras, sons, descansos no pensamento. Lamento. Lamento a minha aspereza, a minha incapacidade  de verter uma lágrima.

Lamento que tudo se tenha transformado neste silêncio.  Mas a tristeza é estranhamente sóbria em mim, nestes dias; não a tristeza poética, vestida de agitações ternas e ainda assim, esperando um regresso ao passado recente. Esta é uma tristeza diferente, mesmo para mim. É uma procura de segurança. É como se esta tristeza tivesse um corpo sólido para me  reconfortar, mesmo que tudo seja angústia e desespero. 

Não existem lágrimas que exprimam certas ausências, apenas uma agonia que não tem punhos para magoar, mas morde raivosa, é rica em lamentos e desejos de regresso ao passado. Rasga os sonhos e deixa apenas o sabor do fracasso.

Eu consigo seguir os seus traços fielmente, descrever todas as suas horas de insónia, como a chuva que cai lentamente nestes dias. E afinal, não fui apenas eu que fiquei silencioso: algo se foi e deixou aqui uma monstruosa onda de raiva impotente, sem subtilezas, mas afogada numa estranha dor crua e de coração partido.

Não se pode escapar ao que não se consegue controlar. Lamentar é apenas uma ínfima parcela desta tristeza silenciosa que parece devorar os nossos dias. Consigo, estranhamente, sentir o sabor amargo e doce de uma melancolia que há muito  tempo me foi descrita, um reflexo do que perdi e do que quero, desesperadamente, recuperar.

Agarro estes pensamentos na minha incapacidade de escrever com a grandeza certa para despedaçar os silêncios. Traçar com a elegância do punho solene, esta criatura dentro de mim que me consome e mesmo assim me reconforta. Romper as correntes e deixar sair esta torrente de ódio, frustração e mágoa. Esta fragilidade inexplicável.

Se calhar era verdade o que me dizia:

" ... só quando sentirmos, realmente conseguirmos provar o sabor da verdadeira tristeza, poderemos aceitar a Morte como ela realmente é, a luz da salvação."

 

Fleuma,







topo | Blogs

Layout - Gaffe