Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Devo reconhecer a minha impossibilidade de estar sempre presente por estes lados. Sinceramente, com os estudos, o trabalho e o pouco tempo que resta a ser usado para viajar, não é nada simples. Será bem mais fácil para outras criaturas que estão a gozar uma pré-reforma de anos sem fazer nada de produtivo, salvo serem bobos de corte. Ou então algo supostamente próximo com o parasitismo de sustento.

 

Reconheço ainda que nada do que tem sucedido neste blog nos últimos dias é culpa minha. Começaram a cair comentários e mensagens de forma maquinal e insultuosa. Por norma isso não interessa, mas por envolver a rechoncha e posteriormente as palavras cretinas do seu esbirro parasita, tudo se transformou. E creio que ainda bem visto que sentia necessidade de me divertir.

 

Agora, fui informado ( uma vez mais a minha indisponibilidade não permite vindas frequentes, agradeço por isso a quem o fez)  que o travestido parasita tem citado com frequência auto mutilação que me é atribuída. Algum esclarecimento irá, como sempre acontece com a mente fraca e incapaz, deixar uma luz que se espera sóbria e quentinha por entre as teias de aranha do esbirro.  

 

Quando decidi abrir este buraco foi por uma questão de terapêutica pessoal. O que nele escrevo, ainda hoje, funciona como escape. Escrevo o que quero e apenas, repito, apenas escrevo o que me convém! O que eu não quero que se saiba, garantidamente não será sabido. 

 

As sensações sensoriais extremas são uma obsessão. Desde sempre que encaro a dor como antecâmara para sentir. A minha tolerância é muito grande. Bastante acima da média. Por vezes, o que por norma provoca um grito de dor normal, a mim nem sequer faz cócegas. Esta é uma diferença genética que corresponde a uma minoria de pessoas. No entanto existe. Está presente. E por vezes a vontade de sentir algo que os outros sentem de maneira automática porque os seus centros nervosos estão "calibrados" de forma regular, leva-me a extremos. Não travesti! Não fui molestado ou espancado por ninguém. Pequenos golpes são uma forma eficaz de sentir e compreender que ainda respiro. Não é nada saudável e absolutamente nada recomendável. Mas tenho as minhas sombras e é apenas uma das muitas maneiras de as domar. Depois, faço o que muito bem entendo com o meu corpo. É necessário acompanhamento psiquiátrico? Claro! E já não o pratico? Não! Porquê? 

 

Uma mulher conseguiu o que os cortes não conseguiram. Fazer-me sentir! Uma mulher conseguiu que cobrisse os meus braços, uma perna e as costas do pescoço às nádegas de tatuagens como memórias visuais e ensinou-me o que absurdos existênciais como você e a gorda nunca conseguiriam: sempre que me sinta tentado devo despir-me e olhar o meu corpo. Nada mais é necessário. Recordo-me e afasto. E depois, com esta mulher por quem daria a vida, tal não é necessário. Ela é parte da minha crença que certas mulheres nasceram para encantar e enfeitiçar.

 

Caro esbirro rosa,  eu não sou um ideal de homem para si. Eu sei. Nem um exemplo. Estudo para me doutorar. Trabalho acima de 12 horas praticamente todos os dias. Não lhe direi onde porque quer o esbirro quer a sapuda morreriam de embaraço. Sou grande muscularmente. Enorme, direi. Orgulho-me da massa muscular que me envolve e serve de concha contra uma infeliz fragilidade muscular. Sou um exemplo dos olhares que temem o meu aspecto. Sim, a minha mão é enorme e se envolvesse o seu frágil crânio não haveria deus que a salvasse! E acha que sabe defender-se, esbirro? Poderei ensina-la que dor de um corte de lâmina de barbear é infinitamente mais autêntica e dilacerante que o de uma faca de cozinha. Mas isso não interessa. Sou independente financeiramente. Não necessito de ninguém para me pagar nada! Assim, não serei o seu ideal.

 

No entanto, parasita rosa, esbirro da hospedeira improdutivo, o que eu nunca faria, fosse em que situação fosse era deixar que alguém ficasse por cima de mim por dinheiro! Posso ser muita coisa, mas preferia comer merda como uma delicia pascal do que ser rameira! Não confunda. Eu anseio por sexo com uma mulher. Como não? Quando me abraça comanda a minha existência. Mas jamais seria depósito para ganhar dinheiro e sentir orgulho, pavoneando-me como independente. Das duas escolha-se uma: ou tudo não passa de uma imaginação prodigiosa, proveniente de demasiada visão de pornografia, coisa que deixa na divisão da imbecilidade suprema ou se é um facto físico apenas se pode conceber como desperdício.

 

Não confunda as coisas, esbirro parasita. Eu nunca tolerarei ser depósito de ninguém! Seja homem seja mulher. Não critique os outros pelo que fazem ao seu próprio corpo, quando o seu veneno é deixar que se sirvam e paguem sem direito a trocos. Não se gabe pensando que é única, triste poço de depósito. Esbirro parasita você é comum porque é de todos.

 

Mesmo que tudo não passe da sua imaginação.

 

 


5 comentários

Imagem de perfil

Gaffe 30.10.2016

Há palavras que mutilam muito mais do que uma lâmina.
As suas são disso exemplo. São armas brancas.

Há, no entanto, alvos que não sentem a ferida aberta. Só percebem que foram atingidas quando alguém lhe faz olhar o golpe. Não se consegue trespassar o cimento da mais profunda e solidificada ausência de pensar.
Imagem de perfil

Fleuma 30.10.2016

Devo discordar. Se tiver em conta os últimos comentários e mensagens, deverei discordar. Tem sido sentido e como!

E acredite, por mais sólido que seja o cimento, mais gozo dará em golpear. Acabam sempre por entender. Sempre.
Sem imagem de perfil

Bruno 31.10.2016

Desde que descobri o tei blog, que, admito, adoro as tuas palavras.
Muito mais não haverá neste momento a dizer... É como dizes, digoo que quero, o que me convém. E o que me convém, neste momento, é sentir a brutalidade de uma realidade que deixei para trás há alguns anos (a auto-mutilação e a busca de algo palpável, se é que faço sentido).
Grande abraço e não deixes de ser quem és! (um pequeno aparte, nós gostamos é de homens grandes )
Imagem de perfil

M.J. 01.11.2016

conheço a capacidade de dar vida de uma lâmina.
as minhas cicatrizes são prova disso.
Imagem de perfil

Fleuma 01.11.2016

Lamento só agora responder ao comentário e devo manifestar a minha surpresa pelas palavras. Não sabendo os seus motivos pessoais que levaram a isso, os meus nada tiveram a ver com problemas familiares, sentimentais e muito menos para chamar atenções. Levaria dias a tentar explicar, como sei que as suas próprias razões também seriam longas. Eu escrevi o post apenas para desmistificar tentativas absurdas de me irritar. E como não sou saco de pancada de ninguém, creio que assim ficou assente.

Claro, fico satisfeito pelo seu comentário. É muito gratificante quando os comentários acerca são estranhamente companheiros e não maternais ou paternais. Coisa que me irrita solenemente! Um agradecimento sincero.

E sim M.J. as lâminas ensinam o que é realmente sentir alguma coisa que não a monotonia. Não recomendo e sequer aconselho isto, claro. Mas só quem olha aquele Caos de frente é que sabe o que isso é.

Lamento se lhe pareço louco ou suicida, mas acredite, nunca fui tão lúcido.

Uma vénia!

Comentar post





Arquivo

  1. 2020
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2019
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2018
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2017
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ
  53. 2016
  54. JAN
  55. FEV
  56. MAR
  57. ABR
  58. MAI
  59. JUN
  60. JUL
  61. AGO
  62. SET
  63. OUT
  64. NOV
  65. DEZ
  66. 2015
  67. JAN
  68. FEV
  69. MAR
  70. ABR
  71. MAI
  72. JUN
  73. JUL
  74. AGO
  75. SET
  76. OUT
  77. NOV
  78. DEZ
  79. 2014
  80. JAN
  81. FEV
  82. MAR
  83. ABR
  84. MAI
  85. JUN
  86. JUL
  87. AGO
  88. SET
  89. OUT
  90. NOV
  91. DEZ
  92. 2013
  93. JAN
  94. FEV
  95. MAR
  96. ABR
  97. MAI
  98. JUN
  99. JUL
  100. AGO
  101. SET
  102. OUT
  103. NOV
  104. DEZ
  105. 2012
  106. JAN
  107. FEV
  108. MAR
  109. ABR
  110. MAI
  111. JUN
  112. JUL
  113. AGO
  114. SET
  115. OUT
  116. NOV
  117. DEZ
  118. 2011
  119. JAN
  120. FEV
  121. MAR
  122. ABR
  123. MAI
  124. JUN
  125. JUL
  126. AGO
  127. SET
  128. OUT
  129. NOV
  130. DEZ


topo | Blogs

Layout - Gaffe