Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


 

“Uma pessoa não é iluminada por imaginar figuras de luz, mas por estar ciente da escuridão.” -Carl Jung

 

Morfeu acompanha os meus dias há anos. Desde aquele momento distante em que descia a calçada da Graça debaixo de chuva intensa, solitário e creio que próximo do desespero absoluto; talvez porque as estrelas estivessem alinhadas - já me disseram ao ouvido -, ao ver aquela silhueta negra encharcada e encolhida de frio, quase dissolvida entre a parede suja e o enorme caixote de lixo, perante a mais absoluta indiferença dos carros que que passavam e outras pessoas demasiado apressadas, eu tenha conseguido respirar um outro desespero. Algo que imaginava ser impossível.

Recordo-me claramente de atravessar a estrada a correr; lembro-me da silhueta encharcada se tornar ainda mais pequena, como que antecipando um golpe de dor, do seu gemido enquanto a agarrava entre os dedos de uma mão e a colocava cuidadosamente dentro do bolso aquecido do meu casaco.

Existe um preencher de vazio portentoso na mera decisão de esquecer o nosso próprio desespero pessoal, quando entramos em casa como desajeitados palhaços, enquanto tentamos retirar os tremores do corpo felino com a água morna na banheira - como se algo demasiado importante para nós fosse acontecer. Não na caridade do gesto. Não na piedade que me varreu cruelmente. 

Não. Foi algo que apenas descobri com a passagem dos anos.

Morfeu, porque ao dormir junto a mim em momentos de navegação pelo meio de destroços, consegui fechar os olhos e sonhar. 

Essencial. Vital.

Morfeu "ensinou-me" o fascínio pela escuridão. Por todos os minutos eternos em que caia na cama exausto, incapaz de encontrar força para me suster, ele deitava-se ao meu lado e eu conseguia ver, claramente, o brilho verde dos seus olhos no escuro. O passear exímio por cima do meu peito quando eu nada conseguia ver.

Existe uma beleza fundamental na mais extrema escuridão. No preceito imutável e intransponível da ideia  que quando a luz terminar esta escuridão permanecerá. Estranho mas reconfortante. Como se fosse um estranho sortilégio revelado por um gato negro que, arrogantemente, eu pensei estar salvar.

Acabamos por aceitar a nossa natureza de sombras sem medos, tentado imitar um pequeno Deus na sua amizade com a  escuridão. Pela sua mera presença reconfortamos as nossas falhas e  fragilidades físicas.

Morfeu é um companheiro singular. Sempre comigo mas não sou o seu amo. Genuinamente e humildemente me assombra porque cuida de mim, pressentindo quando algo se carrega demasiadamente de negro.

Morfeu foi o meu porto em todas as cartas que nunca escrevi enquanto vagueava entre as minhas sombras. Aqueles primeiros raios de conhecimento solitário e longe das pessoas. A constatação visceral, inequívoca, do meu amor incondicional a sombras e escuridão como caminho que decidi escolher, tentando pateticamente caminhar sem tropeçar. 

Ansiando vestir a pele do pequeno Deus negro.

Talvez eu esteja errado. Talvez.

Mas porque amo esta escuridão pessoal eu nado entre estrelas. 

Assim sei que morrei em paz.

Chega-me.

 

"Don´t wake up
We are dreaming again
Of a world of fire

Open your eyes
And your world will become
Void like mine

You can never take me under
This fading bridge of wonder"

  

(999)

 

" Open, Ye Core ..." 

 

 

Violência controlada. Sente-se escorrer na pele. Bate asas e rodopia pela sala em escuridão. Como que feita de trapos sombrios; alimenta-se do suor banhado na frustração dos dias de incerteza e nos desejos. Desejos tão negros, ali, na distância de um tocar.

 

Como consegue ser majestosa a doce violência do som! Reunifica os pedaços da alma e alimenta a sofreguidão deste veneno. Envenenado na liberdade criativa sem limites ou deuses. 

 

E é amor, amar esta violência que se deixa domesticar. Como que na placidez dos crentes nas suas virtudes. Como no sossego que nasce da sabedoria. Quando o som cresce em monstruoso e na mente dançam as sombras enamoradas nas palavras atiradas, cuspidas, ásperas como lâminas, e é na escuridão que existem as respostas. 

 

Não nas luzes.

 

Em sangue. Amo-a. No indescritível comando de uma canção. Toda uma vida de cinzas existe. Acorrentada na noite.

 

Amo a violência do som negro ainda e quando tudo parece acalmar-se e pela sala restam as faces espantadas e as bocas abertas de sede. Venero a devastação que permanece. 

 

Quando tudo se silencia.

 

 

Poland 2017.

 

 

Thank you! We will never forget.

 

Until next time.

 

 

Besiege the thrones of reverence!

 

Não se trata de saber se este é o melhor caminho o que sigo. A ausência da luz canta muitas vezes em vozes amigas. Quanto menos dou de mim próprio mais recebo em troca. Como? Isto nunca antes me foi dito ou ensinado. E estive tão longe assim? Quantos passos, quantas mortes foram necessárias para aceitar que o que me parece real é afinal uma ilusão? Que em cada momento de verdade, raro e cintilante, existe um caos imenso. E dizem que o amor é em todos os casos a solução mas então, porque persiste o sangrar? Mesmo entre o murmurar de promessas que não serão cumpridas.

 

Sou um tolo que teve de espirrar o sangue do que faço de certo e errado. Um tolo em constante procura de uma resposta - quase a saber a resposta. A este ignorante desprotegido afirmaram que a vida é um carrossel e que deveria deixar que voasse livre! Que o mundo está cheio de reis e rainhas de coração caridoso, mas sei que apenas roubam os sonhos enquanto cegamos ao seu toque. Postularam que a escuridão é apenas a aproximação do dia , onde o negro é simplesmente o branco. Aceitei que a lua era apenas o sol à noite e que sim senhor! Que era real o caminho feito entre os muros preciosos. E que poderia ficar com todas as preciosidades que conseguisse abraçar!

 

Mas é tolice. Eu sei. Torna-se verdadeiro enquanto sangro por aquele dançarino que me mostrou o caminho entre escuridão e luz. Não custou entregar-me, sinceramente. Mais doloroso foi constatar a mentira e a cegueira.

 

Os que seguem o caminho da constrição não nasceram para seguir em massa. Não cresceram para depender da grande maioria que se movimenta em círculos para onde todos o caminhos vão dar ao mesmo local. O caminho da constrição é sabedoria e luz que ilumina os dias que passam e afaga as noites escuras.

 

Os caminhos da constrição criam os órfãos de deus. Quando a solidão permanece, sem santos e preces ao vento que passa, só fica a certeza do que é a escuridão.

 

Aos que seguem a escarpa da constrição não importa a gazela morta. Antes interessa a perseguição. O resultado final não dá sequer um laivo de grandeza. E quando a face é oferecida em nome de uma bofetada é para que nasça a vontade de retribuição. Para que se aprenda que nada sobrevive em nome da uma falsa pacificação a que inutilmente se tem chamado perdão. Que se note e assente a realidade. Hoje os outros amanhã eu!

 

Dizem, os que temem a noite e os seus prazeres de rameira, que somos todos iguais. As criaturas que habitam este miserável planeta nasceram com os mesmos olhos para viver. Como pode isto ser possível? Se em cada dia, em cada ruína eu só vejo que nenhum profeta está vivo. Que não é verdade. Apenas os mais fortes sobrevivem testando a natureza. Tudo o resto já se rendeu.

 

Talvez fosse necessária toda uma vida para aceitar tudo o que foi deixado para trás. Tudo o que não foi corrigido. Estas, serão sempre as mais severas chicotadas. Estes serão os golpes mais fundos. Por estas escarpas é praticamente impossível passar.

 

Creio nesse frio que cresce cá dentro. Acredito nos céus rasgados porque creio que se torna possível que sejam criados em nós. E não são necessárias mais criaturas ou maiores palavras para servir de testemunho ao que foi deixado abandonado. Basta que note como se morre lentamente por estes dias. E eis que tudo se torna um mal menor aos olhos mais experimentados. O sussurro de amor descamba naquela faca fria e cínica sempre pronta a rasgar a garganta. Os olhos imensos, profanos de excitação e desejo, eu já muitas vezes testemunhei, tornam-se diferentes. Afogados naquela casa onde a razão já não reside. Deixou de habitar. 

 

Chama-se calor humano. Não me interessa quantificar, saber desde quando. Pessoalmente e porque me considero acima de qualquer outra coisa menos importante, um viajante, temo ter de admitir que o que me aquece está muitas vezes longe de mim. Daí que seja pouco provável escutar outra melodia de encanto senão a que escolhi para guia. Portanto e sozinho com os pensamentos, afogo-me nos minutos e horas que me separam do que já não pode realmente ser corrigido.  Porém,  sou incapaz de me votar a qualquer arrependimento. Incrédulo a perdoar. Recusando pedir perdão. 

 

 

Aske ...

 

Não somos filhos de deus. Não dormimos em camas celestes. A nossa mãe chama-se noite escura. Responde pelo nome escuridão. Nunca como hoje, isto foi tão revelador. Tão intensamente intimo do que sou. Do que somos. 

 

Não acredito em luzes de conhecimento. Não existe luz ao fundo do túnel! Seja ele qual for. Nascido de uma mãe apenas para que me fosse permitido conhecer a escuridão e as sombras. Nem sequer isto me chega. Sei que não chegarei a envelhecer e muito por minha culpa. Apenas por minha saudade e culpa. É estranha, esta forma de meditar sobre deuses que não existem e que ainda assim são chamados e sacrificados. Ainda assim, inspiram a festa e a hipocrisia. 

 

Somos pó de estrelas. Existimos enquanto existirmos. Com o fim eu só consigo imaginar escuridão. Sonhar com outros espaços e não este em que habito e caminho todos os dias.

 

Sei, no entanto, como pode curar e ser doce a canção que embala quem é filho das sombras. Longe dos que aparentemente ... me querem salvar.

 

Começa por um som que reconheço desde sempre. Gravado na mente. Pode ser uma nota de piano, principalmente o vibrar de cordas de uma guitarra clássica, que sempre se crava no meu cérebro. Tem de ser tocada com a destreza de quem se sente realmente triste. Creio que apenas desta maneira de sentir se consegue abrir a alma para que outros, estes mais incautos e estranhos a outras paragens, sintam. Resvalem em queda livre. Um som que se pode muito bem transformar em soluço e aqui, nestes segundos, eu paraliso. Quem soluça assim não chora, realmente. Contrai-se e respira de uma maneira estranha. Pouco natural. Por isto, é impossível que alguma vez eu esqueça este som. Porque é transversal a tudo o que eu possa considerar racional e aceitável. Demasiadas são as vezes em que me forço a certas reconsiderações. Penosamente. Por este som.

 

Na maior parte das vezes, passo longe e ao largo. Consigo sacudir o pó  das estantes emocionais dos outros. Na maior parte das vezes ... Noutras, aquela suprema habilidade de caminhar como um ladrão de cemitério em noite escura, esvai-se em fumo. Eis que surge a impossibilidade de explicar desde quando tal som se tornou tão vivo em mim. Desde quando uma corda de guitarra, um soluço aflito ou aquele pingar solitário de uma torneira de cozinha em plena noite tardia se revelou tão importante para mim. Como se algo realmente necessário, tão importante como respirar e caminhar, estivesse para acontecer.

Descobrir aos 13 anos, friamente relatado por um médico local que tresandava a álcool,  que muito possivelmente o meu futuro de adulto não seria um paraíso físico normal, que pela forma como se apresentavam as consequências, transformariam a minha vida numa penosa e lamentável jornada, serviu, em muito, apenas para cimentar a minha necessidade de entender o sofrimento. Não a possível dor mental, que nasce em nós e nunca se esvai. Apenas na morte. Antes a física. Algures, o relato médico, hostilizou o meu orgulho. Mesmo que apenas fossem 13  anos, depressa comecei a matutar o que deveria e iria fazer. 

 

Talvez seja revelador do que sou. Não pretendo afirmar o contrário. Mas creio que já nasci assim. Incapaz de aceitar certas realidades. Temos de ser capazes de criar o nosso próprio mundo. Estabelecer regras e aceitar as consequências. O orgulho, por vezes cego e filho da puta, sempre me ajudou a aguentar e até aceitar a dor. Não porque assim tem de ser, mas porque não é possível evitar. Simplesmente por isto. E eu próprio me tornei perito em auto punição. Quando não dói é preciso que o faça acontecer. Sim, irónico mas verdadeiro. 

 

Para superar as minhas limitações físicas, para alem de estudar e continuar a varrer livros, decidi tornar-me forte. Fisicamente forte. Há anos que levanto pesos; cego e surdo ao bradar dos médicos. Imerso no meu universo. A fraqueza muscular já deu o seu lugar ao músculo denso e potente. Tem sido doloroso. Dolorosamente debilitante. Mas a vitima fraca e débil que passava os dias debruçado nos lençóis converteu-se, como outrora alguns gostavam de afirmar, na besta irreconhecível! Já não anda dobrado e vergado. Caminha erecto e ( como sempre...) orgulhosamente capaz.

 

Tenho afinidades sinistras com a dor. Deixei de fugir dela e creio que a aceitei quase como senhora de mim. Decidi tatuar muito dos meus últimos anos de vida. Ainda não foram vividos muitos, mas já deu para preencher os braços e quase estar a terminar as costas. Duplamente doloroso já que tatuar massa muscular excessivamente desenvolta é quase tarefa homérica. Porem eu quero que seja e se faça assim. Desenhar extensões tão grandes é, garanto por minha experiência pessoal, aprender um catecismo de dor que transfigura e remete a uma humildade humilhante. Apenas o orgulho genuíno persiste na febre que assalta e debilita a cada traço. Por isso só consigo rir quando oiço alguém desejar uma tatuagem, já que é moda ter uma "coisinha gira" num tornozelo e esquecerem que deveria ter um significado. Não apenas decorativo. A punição física e mental que aceitei e continuarei a aceitar tem um motivo e uma essência. Conta uma história ainda curta mas que é preciso que eu recorde. Quando me sinto a fraquejar e a fugir, basta que me dispa e depressa recorde.  

 

 




Arquivo

  1. 2021
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2020
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2019
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2018
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ
  53. 2017
  54. JAN
  55. FEV
  56. MAR
  57. ABR
  58. MAI
  59. JUN
  60. JUL
  61. AGO
  62. SET
  63. OUT
  64. NOV
  65. DEZ
  66. 2016
  67. JAN
  68. FEV
  69. MAR
  70. ABR
  71. MAI
  72. JUN
  73. JUL
  74. AGO
  75. SET
  76. OUT
  77. NOV
  78. DEZ
  79. 2015
  80. JAN
  81. FEV
  82. MAR
  83. ABR
  84. MAI
  85. JUN
  86. JUL
  87. AGO
  88. SET
  89. OUT
  90. NOV
  91. DEZ
  92. 2014
  93. JAN
  94. FEV
  95. MAR
  96. ABR
  97. MAI
  98. JUN
  99. JUL
  100. AGO
  101. SET
  102. OUT
  103. NOV
  104. DEZ
  105. 2013
  106. JAN
  107. FEV
  108. MAR
  109. ABR
  110. MAI
  111. JUN
  112. JUL
  113. AGO
  114. SET
  115. OUT
  116. NOV
  117. DEZ
  118. 2012
  119. JAN
  120. FEV
  121. MAR
  122. ABR
  123. MAI
  124. JUN
  125. JUL
  126. AGO
  127. SET
  128. OUT
  129. NOV
  130. DEZ
  131. 2011
  132. JAN
  133. FEV
  134. MAR
  135. ABR
  136. MAI
  137. JUN
  138. JUL
  139. AGO
  140. SET
  141. OUT
  142. NOV
  143. DEZ


topo | Blogs

Layout - Gaffe