Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


 

......

 

 

As pessoas são como fontes. A maioria, grande maioria, pinga apenas liquido azedo e inútil. E o viajante experimentado sabe que não conseguirá saciar a sede nestes fontanários envelhecidos por anos de incapacidade. São fontes antigas e consumidas pelo pensamento arrependido do que poderiam ter feito e nunca fizeram; é possível a quem realmente caminha em viagem escutar os seus pensamentos transformados em mágoas liquidas de escolhas infelizes em nome dos outros. Escutar. Perante o fim que se aproxima esfregando as mãos rugosas e frias. Entender como inútil foi a sua existência.

 

E existem pessoas que são labirintos para mim. Eu sempre procurei labirintos estreitos, quase escarpas. Conheço criaturas que são labirintos a desembocar em um nada branco; paredes alvas de absurdo nulo pingando becos sem saída. Conheço.

 

E sei de outros labirintos estreitos que vão desaguar em fontes que jorram pedaços portentosos de uma estranha alquimia. Aqui o viajante cansado pode repousar em paz e beber até ficar alucinado. São fontes que calam a voz dos cínicos e descrentes a tragos generosos.

 

Conheço um rei destes labirintos que terminam em fontanários cristalinos. Nos gestos toldados pela paralisia cerebral um reino de corredores estreitos e ameaçadores. Mas no pensamento subtil e engenhoso toda uma arte de fuga e superação, própria aos que não se escondem nos lamentos da má sorte. Pertença das criaturas de mito.

 

Eu não sinto qualquer acesso de piedade por ele. Antes uma maldita humildade e cumplicidade. Nos dez longos minutos que decorrem para apertar o cinto no buraco certo; na recusa em ser ajudado nas mais pequenas tarefas que eu e toda uma raça de criaturas, executa inconsciente, existe uma teimosia orgulhosa que apenas, mas mesmo apenas, irradia na periferia de certos recantos da alma.

 

Encontro nele algo raro que me obriga a levantar os olhos do abismo: justificação! Motivo para outros dias.

 

Que a grandiosa mãe natureza, essa incoerente e débil mutante, lhe tenha roubado a virtude da fala coordenada sem a necessidade de um esforço desumano para exprimir um verbo, que os seus olhos castanhos só a esforço consigam alinhar-se e os movimentos do seu corpo sejam muitas vezes os de uma marioneta caótica, este rei do labirinto responde com um sistemático sorriso gigantesco; batalhando todos os dias para se fortalecer e coordenar como uma bofetada de revolta.

 

Genuinamente se silenciam outros lamentos ou desilusões. Quando soa a gargalhada de triunfo pela vitória de mais um peso erguido do chão.

 

Com a força de quem luta para se endireitar e permanecer  erecto. 

 

Como assim deve ser num rei orgulhoso.

 

E eu? Eu vejo-o. E amo os labirintos.

 

 

" A sério! ....

 

 

Qual é a vossa desculpa?! ..." 

Quanto mais observo e escuto o que se passa à minha volta, mais me convenço ser verdade algo que há poucas semanas me foi dito cara a cara, olhos nos olhos - tu se calhar, estás mais próximo da verdadeira liberdade do que qualquer outra pessoa que conheça.

Sempre pensei exactamente o contrário. Sempre achei que era muito mais prisioneiro de paixões e sonhos do que própriamente em liberdade para o que fosse. Nada se consegue comparar quando nos colocam na posição de secundário em relação a animais de estimação, porque somos incapazes de, mesmo que por segundos, agir ou reagir como pretendem que assim seja.

 

Mas, se calhar em alguma volta mais escarpada, perdi a noção dessa liberdade. E para isso, se calhar alguém será necessário para me alertar  deste facto. Talvez eu seja realmente livre; não totalmente, porque essa canção de absoluta libertação só pela morte chega. Mas o mais livre possivel. E porque não? Se desde muito cedo deixei de acreditar em profetas ou em livros de profecias. Pode ser que a libertação seja o meu ardor por ganhar dinheiro e gasta-lo em expêriências, como nadar junto aos golfinhos, olhar o lobo mais negro que possa imaginar nos olhos e sentir-lhe o arfar quente no rosto.

Creio que a liberdade pessoal é algo bem mais precisoso do que muitos imaginam. Dói e faz sofrer, tanto fisica como mentalmente. Raramente é aceite e muito menos compreendido pelos que me rodeiam. Vive-se com uma extrema intensidade. Essa intensidade assusta os que não aceitam, mas para mim é viciante. É poder dizer que eu não sou apenas uma parte do todo. Que é verdade, só eu próprio me posso libertar.




Objectivo atingido: ver em concerto ( Amesterdão) uma das minhas absolutas referências de extremismo musical. A banda Immolation


Confirmação de um facto: Monstros sagrados e absolutos em concerto. Inesquecível!


Duplo objectivo atingido: estar frente a frente com os membros da banda em amena cavaqueira de troca de ideias. Por entre latas de cerveja, pude confirmar uma verdade por outros transmitida: Ross Dolan, o vocalista, um gigante de tamanho e inteligência, animal de palco cujos cabelos ultrapassam as nádegas em cumprimento e densidade (!), ateu convicto, anti religião por todos os poros, é de uma generosidade e desprendimento absolutamente surreais!

E como bebem estes senhores!!


"Que existe uma estranha forma de magia no toque dos teus lábios ...

No entanto faz-me sofrer. Deveria consolar-me, tal é a forma como esse beijo sonda a minha alma. Mas apenas estilhaça em mil partículas o que deveria permanecer quente e afectuoso.

Quando os teus dedos viajam pela minha face, muito para além de um sereno arrepio, fica a saudade. Fica a falta de algo. O vazio que ecoa. E a vontade de tomar de assalto a tua beleza.

Não chega. Preciso de muito mais.

E por suprema e maquiavélica ironia, só tu podes concedê-lo."

 

"Hoje, a noite foi de esquecimento. Talvez pelo turbilhão do teu corpo. Se calhar pelo sussurro da tua voz. Perdi-me. E a ponto de não querer voltar a encontrar-me.

Quis que assim fosse. Banhado pela radiância da tua estranha mistura. Afinal, também tenho o direito a sonhar.

O brilho dos teus olhos na escuridão tosca? Umas das minhas verdades absolutas! Por muito náufrago que me sinta: uma das minhas verdades absolutas."

 

"Por cada rasgão e por cada pinga de sangue que me pertencem, de ti recebo o profano bálsamo de sôfrega cura. Se a minha voz se propaga segura e orgulhosa é apenas porque tu há muito construíste as escarpas por onde ecoa.

Por mim, o inverno seria eterno e o céu estaria para sempre coberto de esuridão, apenas porque tu me relembras todos os dias como é vital o calor e a luz do sol."

 

"O espírito é o grande favorecido com as derrotas da carne. Enriquece-se à sua custa,  saqueia, regozija-se com as suas misérias; vive do banditismo. A civilização deve o seu êxito às proezas de um bandido."

 

 

"Para nos vingarmos dos que são mais felizes do que nós, inoculamo-lhes,  na falta
de outra coisa as nossas angústias. Porque as  nossas dores, infelizmente, não são contagiosas"
"Todos os nossos rancores provêm do facto de havermos ficado abaixo das nossas possibilidades, sem nos termos conseguido alcançar a nós mesmos. E isso nunca o perdoaremos aos outros."
Citações de E.M. CIORAN

Encontro pacificação num olhar.

Interrogo-me, vezes sem conta, como pode isto ser possivel? Apenas com um olhar, consegue deixar-me sereno. Sem pinga de ódio.

Pode uma mulher, de aparência frágil e suave, reter em si tamanha capacidade de vontade e serenidade? Perguntas. Nada mais. Também, não preciso de respostas. Estão sempre à minha frente. Nos seus olhos. Nas suas mãos.

Os poetas, esses tolos românticos, chamam-lhe amor. Eu chamo-lhe paixão. Acordo de sonhos, tantas vezes cruéis, e ela lá  está, à minha frente: pernas cruzadas, uma camisa tão larga - gosta de vestir o que é meu, diz-me - a cobrir-lhe o corpo que desejo, sempre. Muito. Olha-me, atenta. Para mim, é o que de mais próximo está de algo divino. E quando ilumina a face com aquele sorriso, a força que despeja sobre mim é tal, que quase duvido se estarei acordado. Tudo, muitas vezes, sem uma palavra. Não é isto paixão?

Que posso fazer, para demonstrar que ela é a mulher que realmente me completa? Eu, que me golpeio para me sentir humano? O que qualquer reles criatura como eu deve fazer perante algo inevitável: deito abaixo todas as defesas e entregou-me, sem condições.

 

Por apenas uma vez, sonho. Sonhei. Que tudo o eu dizia fazia sentido. Onde existiam dúvidas e pressentimentos, se revelavam verdades.

Sonhei. Que na minha voz, podias ouvir a minha canção de guerra. Por breves verbos, poderia ser ouvido. E onde habitava, uma meia luz inundava a escuridão.

No meu mundo, ténue de equilíbrio, caminhavas sem receio. Sem terror, sem loucura. Para além deste vácuo infermo. Eu estava sóbrio. Eu não sentia angústia. Conseguia dormitar. Num chão rachado. Frio. Invernal e, mesmo assim, amigo.

As lágrimas que afogavam o meu rosto, eram afinal, de cristalina certeza. A certeza da chegada. Onde? Não me importava. Apenas que chegara.

Poder, finalmente olhar cá  de cima. Sangrando do pés, caminhante, podia sentir-me apenas humano.

Um sonho, onde rejeição era carinho. Sonhos. Onde a minha paixão se desvanecia, nos teus lábios.

Tags:

 

E todos eles voltam a face,

Quando passas, ao largo

Porque acreditam que a tua vida

Não tem sentido!

 

Se não tem sentido,

Então porque vives?

Porque não morrer, já?

Pôr um fim a essa calamidade.

 

Numa cápsula, a tua versão,

De uma vida vida opaca, aversa

Num hospital, a nova esperança

De ser aceite. Algum dia ...

 

No branco da luz, da sala

O ódio à alvura dos dias,

Apenas a escuridão é bem recebida,

Em vida sem sentido. Sem regresso.

 

Dar-te a mão. Erguer-te.

Num mero sorriso, a felicidade de outrora

Antes de se esfumar em lágrimas,

Esmagadas por um suave soluçar.

 

Pressentes a tempestade?

Será que nunca mais pára?

Porque o esforço é por demais cruel,

Nessa vida, sem sentido.

Tags:

 

Quase terminaste com a vida,

No abismo que conhecemos, já

Nas lembranças que te feriram,

Nos golpes que recebemos, nas desilusões

 

E pelas minhas palavras, lidas

Tão distantes, tu encontraste vigor?

Pudeste olhar, de novo

Além da escuridão

 

Porque sei do fardo que carregas,

Onde por mim te podes apoiar

Por isso cruel, nas minhas palavras

Viste... Luz!?

 

Como? Como é possivel,

Que neste meu recanto obsceno

Que povoo com profundo desespero

Tu, alma mortal, te tenhas abrigado?

 

E se isso te fez respirar

Voltar a ver, sentir

Que morremos pelos mesmos cortes

Nas cordas estamos, e resistimos

 

Que tão distante estás, Continentes

Tu me tenhas farejado, grotesco e em abandono

Perguntes, peças

Me amarres a  este poço insalúbre

 

Deveria odiar-te

Por este peso, essa tua salvação

Nas minhas letras encontrares reflexo

E que te ajudam a viver,

Mais um dia...

Tags:




Arquivo

  1. 2020
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2019
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2018
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2017
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ
  53. 2016
  54. JAN
  55. FEV
  56. MAR
  57. ABR
  58. MAI
  59. JUN
  60. JUL
  61. AGO
  62. SET
  63. OUT
  64. NOV
  65. DEZ
  66. 2015
  67. JAN
  68. FEV
  69. MAR
  70. ABR
  71. MAI
  72. JUN
  73. JUL
  74. AGO
  75. SET
  76. OUT
  77. NOV
  78. DEZ
  79. 2014
  80. JAN
  81. FEV
  82. MAR
  83. ABR
  84. MAI
  85. JUN
  86. JUL
  87. AGO
  88. SET
  89. OUT
  90. NOV
  91. DEZ
  92. 2013
  93. JAN
  94. FEV
  95. MAR
  96. ABR
  97. MAI
  98. JUN
  99. JUL
  100. AGO
  101. SET
  102. OUT
  103. NOV
  104. DEZ
  105. 2012
  106. JAN
  107. FEV
  108. MAR
  109. ABR
  110. MAI
  111. JUN
  112. JUL
  113. AGO
  114. SET
  115. OUT
  116. NOV
  117. DEZ
  118. 2011
  119. JAN
  120. FEV
  121. MAR
  122. ABR
  123. MAI
  124. JUN
  125. JUL
  126. AGO
  127. SET
  128. OUT
  129. NOV
  130. DEZ


topo | Blogs

Layout - Gaffe