Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Como será acordar todos dias, olhar para o espelho e concluir: nada fiz da minha vida. E como será, todas a noites que deseja serem santas, arrastando-se para o leito vazio pensar: estou próxima e nada consegui.

 

Há muito que deixou de funcionar como uma criatura autónoma e orgulhosa de si. Mas não! Creio que nunca sentiu o sabor do orgulho, da postura altiva daqueles que caminham erectos. Como qualquer outra dispersão, usou a fraqueza para justificar os dias que passavam e nada acontecia. Pouco fazia. Pode também o amor justificar tudo, meu bom deus? Deve uma pequena ovelha ser fruto da predação das feras que se agitam para lá do fogo? 

 

Os dias passam agora mais rápidos. Santo purgatório! Eles voam. Mas nem por isso se dedica ao altruísmo da reforma achada pelo pouco que trabalhou. Vai antes saborear o pequeno, infinitamente pequeno prazer de se fazer sentir. Sempre uns passos atrás. Afinal, o seu traço mais comum: cobardia e velhacaria de outlet. Mas sei ser benevolente. Umas migalhas de prazer mental são sempre um tónico para compensar a carcaça moribunda. 

 

E Jesus Cristo num Ferrari!! Como precisa destas pequenas chispas de emoção! Pois, como não? Se só por esta estreita rua se consegue imaginar superior!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)






topo | Blogs

Layout - Gaffe