Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


... Algumas destas palavras são estradas para o Norte, destiladas com aquela paixão profana, de quem muito dolorosamente consegue reter uma réstia de comando perante a tentação de nunca mais regressar por estes caminhos. A estrada para Casa. A verdadeira Morada. Quero convencer-me de que as minhas palavras são a expressão mais pessoal de exploração, sejam elas largas ou curtas, quero que assim sejam: interiores, dentro de mim, fora de mim. E mesmo sem elas, mesmo que se escondam a flutuar dentro de mim, quero que sejam esses os contos do que vejo e até onde chega a minha reverência - a força sufocada, até a brutalidade de tudo o que me consome. É tão carnívora esta paixão, tão voraz que mesmo nos cada vez mais raros momentos de distância forçada, apenas certas palavras que eu escrevo conseguem sossegar-me longe de uma voz que não se repete. 

... São a minha punição pessoal pelo tempo perdido mas também pelos encontros e as despedidas sem regresso, pelo que ficou por dizer, entranhado na minha obsessão pelas histórias contadas, que devem ser ditas, que só assim servem para algo, nem que sejam apenas para acender o meu desejo mais profundo de conseguir que sejam lidas em voz alta, como se fossem um fruto de pacificação pessoal, o destrancar deste semblante carregado de visões preciosas que a minha fome egoísta teima em esconder.

(Fleuma)

 

Rasgar as memórias como se fosse possível apagar do pensamento as sombras dos dias em que a desilusão parece sentada em cima dos nossos ombros, é um acto perfeito de derrota pessoal, um desconhecer dessa criatura que caminha ao nosso lado todos os dias, dissimulada e esquiva, uma parte de nós inseparável. Essa tentativa inútil que insiste em enterrar certas agonias debaixo dos escombros de uma esperança de melhores dias sem este veneno, é o traço fixo, sem tremor dessa besta perfeita, a que caminha connosco, a que se encontra sentada em cima de nós. Não adianta. Eu sei disso todos os dias. Acabei por desenhar o seu caminho e, principalmente, o lugar onde se esconde. 

Não volto a tentar rasgar impossíveis e deixei a humilhação da fuga, recuso-me no entanto, a vergar a cabeça ao vazio oscilante que habita esse labirinto, como quem se reconhece nele, por ele passa com um acenar, e aprendeu a sobreviver com o seu veneno espumoso. Mas ficaram as cicatrizes no pensamento e na pele. Marcas de que me orgulho. Estranhamente orgulhoso como se não soubesse que me vai assassinando lentamente.

E afinal, não é exactamente isso que me arrasta para mais um dia? 

(Fleuma)

 

Gosto dos que não se arrependem com uma frequência pegajosa e de hábito religioso. Talvez porque o verdadeiro arrependimento tenha um sabor inexplicável, complexo, demasiadas vezes provocando uma espécie de dormência que nos deixa doentes e indefesos. Há um desnudar neste admitir massivamente violento para o orgulho, um sabor muitas vezes amargo de derrota, que nos perfura e reduz a um estado primário de submissão demasiado dolorosa. Por isso o verdadeiro arrependimento é raro, tão solitário como penoso e violento. Por isso sou incapaz de acreditar em pedidos de perdão demasiado constantes, sempre nas primeiras palavras, e sempre, sempre após um erro cometido. Porque não é possível suportar o peso de algo tão visceral com essa frequência. E como tudo o que é raro e precioso, cada pensamento de arrependimento sentido arranca um pedaço de nós que não regressa - fica perdido. Mas quando acontece tem também aquele doce sabor de uma revelação única, um espasmo de conhecimento mudo em estado bruto, talvez até aquele reconhecer de que não se trata de um vergar humilhante, antes um sarar de mutilado. 

Por isto não é possível a insistência pegajosa e religiosamente reservada num verdadeiro arrependido, que tem tanto de doce como de amargo. 

(Fleuma)

Há uma beleza histriónica na decadência, uma transcendência que não existe no vigor do inicio de algo, no florescer de um principio iluminado. Esse terminar decadente como uma luz que se apaga lentamente tem a impassividade do tempo, a predição sistemática da ruína. A intensa beleza decadente da rendição final do Inverno tirano nos braços dourados de uma Primavera esfuziante nas suas promessas.

As ruínas são um embalar virtuoso da nossa própria existência; são janelas abertas como retratos da alma; há nelas aquele vigor escondido num catecismo de indiferença que quase sempre recusamos olhar atentamente. Mas são isso mesmo: avisos do que está para chegar. Discípulos em veneração de outros tempos, como na recordação do fogo daquele primeiro beijo e os braços em volta do nosso pescoço, compreender a reverência desses instantes porque no fim só isso mesmo irá restar na nossa solidão. 

Adormeço com frequência entre elas porque as procuro com paixão. Tremo entre elas quando caminho nos seus silêncios e sossego como se fosse um fantasma enamorado e ciumento.

(Fleuma)

Agrada-me de forma solene a lenta deterioração ideológica nas criaturas que pensam comandar os destinos dos outros. É um dos meus raros momentos de alegria genuína assistir a essa decrepitude moral, assente num curvar humilhante perante a estatística do falhanço enquanto vão agitando os braços na procura de algo que venha em seu socorro. Esse patético momento, a minha referência mais do que absoluta para a incapacidade humana em sustentar algum altruísmo coletivo, revela todas as arbitrariedades da massificação das ideologias mais corruptas, insensatas e castradoras do individuo, em nome de uma palavra, uma ideia de perfeição falhada: Democracia - igualdade para todos - responsabilidade para todos.

E não. Não tenho outra solução para esta farsa que não habite em mim próprio. Não tenho nenhuma outra resposta para esta grande Democracia que se imagina como Grande Verdade, que não afirme exatamente o seu contrário. É impossível para mim não imaginar tudo isto como uma nova forma de tirania mascarada com as boas intenções da mais imperfeita das criaturas. Nós.

Não pretendo oferecer consolo, por mais parco que seja, porque temos o que merecemos, pela nossa inépcia, preguiça na reação e conforto no pensamento. Acho apenas delicioso este fraterno conceito de uma Grande Verdade que afinal não existe! Este martelar histérico e constante de um populismo imbecil e manco ora de uma Esquerda disfuncional e esquecida do seu passado, ora de uma Direita debiloide que apenas serve para reproduzir obscenidades e fantasmas fascistas. Esquerda e Direita em frente a um espelho na mesma imitação de macacos ensinados.

A Verdade é que afinal não existe uma Grande e única Verdade, e que tudo se torna muito pior com esta conclusão: a ironia de sermos uma extensão de Nada. De continuarmos a tentar transformar esta inércia na nossa forma vital.

(Fleuma)

Podemos tentar reproduzir algum sentido de ordem num caos permanente. Alinhar os objectos numa tentativa absurda de quantificar o que achamos ser nosso e apenas nosso. Sonhar com uma suposta capacidade perfeita para planear os dias, enquanto deixamos as noites entregues à inconsciência de morte que não conseguimos controlar. Vestir a roupa da nossa sorte. Beijar muitas vezes a medalha do santo preferido. Tudo serve. Tudo importa.

Meditar sob o peso das incertezas, enquanto vamos escondendo dentro de nós uma lei de probabilidade que consiga deixar-nos mais humanos. 

E se eu disser que procuro incessantemente essa sagrada e secreta geometria da sorte? Que não procuro a glória, mas antes quero alinhar a possibilidade de conhecer todos os sintomas antes do seu desaparecimento da memória? 

Que a minha respiração se aquieta de olhos cerrados enquanto percorro as linhas de um corpo nú e vou lamentando o que deveria ter dito antes e não disse.

(Fleuma)

 

 

 

 

Talvez eu não saiba dos anos dos outros.

Creio que sim. Não sei nada.

Nunca pretendi que assim fosse, por essa impossibilidade de desejar "um feliz ano" sem  estar em frente ao outro, sem cravar os meus olhos nos do outro. O que não deixa de ser paradoxal nesta vaga de redes sociais onde o calor de um abraço, a leveza de um beijo, são servidos por algoritmos disfarçados pela distância e aborrecimento de mais um ano que passou.

Estranho em mim.

Talvez assim seja porque sempre fui isso mesmo: animal de labirintos e atmosferas a desejar ardentemente confiar em algo ou alguém. 

Os anos foram passando com a intermitência corrupta e escura daqueles pensamentos venenosos de quem sai de um labirinto para entrar na sombra de outro. E é estranha, esta pulsão por labirintos e sombras que nunca me irá abandonar, este ritmo quase carnal que não me deixa descansar sem imaginar como poderiam ter sido os outros anos. Antes deste.

Compreendo. Não consigo imaginar o ano dos outros sem sentir aquela fome voraz de absorver os seus dias e as suas noites. Arrastar outros para os meus tempos e os meus pensamentos. Agarrar nas suas cabeças e baixar os seus olhos com os meus.

Terrível e egoísta. Eu sei. E não me envergonho; os meus anos que desejo são o que eu sou e no que os vou transformando até ao meu último suspiro.

Porquê Outubro? Porque não outro mês? Existem tantos!

Porque foi no Outubro de um Ano onde não foram desejadas boas entradas nem boas festas que consegui, lenta e dolorosamente, paulatinamente, dar um nome próprio a Sombras e Labirintos. Beber de outras Atmosferas.

Creio que sim.

Foi num Outubro que deixei de olhar um Ano como mais um tempo que passou. E apenas isso.

Como se em cada ano que que vou deixando para trás ficasse um pedaço que me pertence e o qual recuso perder.

(Fleuma,)

 

(999)

 

Lá fora 10 graus negativos. Dentro da sala, pelos recantos de sombras atravessados pelas luzes artificiais, entre o calor ameno do som das palavras amigas, antes estranhas e desconhecidas, num torpor cansado, sentado entre isto, deliciosamente rendido ao sono que se aproximava...

Tu.

Entre tudo isto: Tu.

Nos passos serenos e felinos em direcção a mim. Em frente a mim. Tudo se silenciou naqueles instantes. Esta memória que nunca me abandonará. A respiração selada num aperto. Os olhos abertos apenas num sentido. O peito congestionado num bater estranho, disperso, mínimo. A incapacidade de uma palavra. Um idiota desajeitado e subitamente lançado em águas desconhecidas.

Tu és uma Chave.

Os teus olhos brilhantes nos meus. O sorriso na cor dos lábios grossos. A tua pele alva entre a sombra, recordou-me as minhas primeiras auroras do Norte, lancinantes de espanto e vigor. 

Algo animalesco cresceu naquele dia em mim. Algo que ficou sangrento e violento. Uma fome de possuir e nunca mais soltar. Um tremer quase demoníaco que nunca mais me abandonou na tua presença. Um prostrar frágil. Uma incapacidade de conseguir ver algo mais belo, um cismar silencioso de predador encarcerado numa escuridão de instintos proibidos, dormentes durante outros abismos.

Tu és uma Chave...

E eu, ainda hoje, não sei o que isto é. Não consigo regressar a mim. Sinto este corpo enorme e maciço, incompleto, junto ao teu - sinuoso e assustadoramente silencioso. Sem ruído. Como uma brisa.

Não sei o que isto é. 

Nas palavras saídas como encantamentos pela noite fora. No brilho de uma inteligência inata mergulhada nos olhos cristalinos. Nos cabelos longos. No sussurrar onde tudo se consuma. O meu corpo duro e sólido recebido pelo teu. Demasiado belo para ser meu.

Tu és a Chave.

(Fleuma,)

 

Aos dias de existência no Limiar, 

É fácil, tão estranhamente fácil, adormecer ao som do vento que assola a subida; uma tentação que nos canta os encantos de parar, adormecer e deixar morrer.  Algo doce e amargo a tracejar o resfolegar do coração, não deixando lugar ao pensamento. Uma voz nossa. Nossa.

Gosto tanto deste egoísmo que consome os meus últimos instantes, antes dos passos finais para o cimo!  Do prazer intenso de mais um fim do caminho. Da fome voraz  que comanda o passar para uma nova página.

Este egoísmo absoluto, e perto, tão próximo da loucura, que me arrasta e sujeita a consumir todos aqueles instantes como únicos e sem repetição. Este balançar na velha cadeira do sonho. Esta paixão que não me deixa descansar e que um dia irá consumir a minha alma.

Este terminar num respirar moribundo procurado e consentido. Nestes dias de chuva, muita chuva.

Esta vontade de voltar a partir. Este egoísmo de não regressar.

(Fleuma,)

 

 

 

A minha reverência vem da Sombra. É carnal e ansiosa pelas noites longas. Bebe sôfrega na ausência de um corpo onde descanso. Uma salvação entre purgatórios. Uma necessidade de libertação. E desejos. Demasiados.

Mas alguém sabe melhor disso do que eu. Alguém transfigura esta reverência demasiadas vezes carnal. Animal. Sedenta. Numa pacificação que submete a minha paixão, como se em toda esta saudade estivesse a chave para justificar tanta fome.

Pouco sei dos meus instintos. Não sou capaz de juntar todos os pedaços porque fico cego, porque se torna impossível adormecer na Sombra. Porque sei que apenas restaria um Inferno sem dono. Prefiro essa brevidade de instantes que alimentam os animais.

Mas conheço a voracidade que acompanha os meus instintos. Sei o que nasce da subversão do meu pensamento a tanta paixão escura. Sei da maldição de quem insiste em beber do seu veneno irresistível. 

Sei. 

Assim.

A alquimia perfeita no desejar de um corpo, comprimindo cada estilhaço de ânsia numa febre de morte, exaustão e derrota. E mesmo assim, desejar essa derrota como única salvação para obter algum abrigo e paz.

Sei que assusta.

Porque no silêncio das minhas emoções não consigo esconder um fogo primário e blasfemo e que nunca consegui prender seguro. Porque não sinto culpa e apenas deixo que me consuma em rasgos. 

Mas alguém sabe disto melhor do que eu.

O brilho dos seus olhos é Cósmico de triunfo e conhecimento. 

A sua arte de submissão animal é ancestral e inexplicável ao meu barbarismo emocional.

(Fleuma,)

 






topo | Blogs

Layout - Gaffe